ONDE PRATICAR

ONDE PRATICAR
Clique na imagem e conheça os Nucleos da Moy Yat Ving Tsun no Rio

Thursday, September 4, 2008

Os 20 Anos da Família Moy Yat Sang

Olá a todos, aqui é Shan Si e serei seu Mestre de Cerimônias nesse post que relata os acontecimentos do evento que foi realizado nos dias 16 e 17 de agosto de 2008, o aniversário de 20 anos da Família Moy Yat Sang.

Primeiramente gostaria de explicar que serei bastante parcial, estou passando um relato dos fatos completamente encharcado com minhas opiniões pessoais e com tudo aquilo que eu vi, ouvi e senti durante o evento.

Espero que gostem!


[Intro]

Como todos sabem, a data correta do aniversário é dia 08 de agosto, porém essa data coincidiu com a comemoração do Dia dos Pais, de forma que ficou acertada a realização do evento na semana seguinte. Como o evento foi em Belo Horizonte, ficou combinado que na sexta-feira dia 15, no finzinho da manhã, o Sifu Julio Camacho passaria pela Ilha do Fundão e me daria uma carona no seu Zafira Mega Comfort! Acabei me atrasando feião...(¬¬) também eu nao imaginava que o Sifu levaria menos tempo de Jacarepaguá ate o Fundão do que eu que saí da Ilha do Governador (o.O). No carro ja estavam a Simo Daniela Camacho e meu Sihing Chi Yau Si. Acomodei minha bagagem na mala do carro e seguimos viagem.

Apesar de longa, a viagem foi bem tranquila, proximo as 14hs, paramos num restaurante chamado Zé Pedro, se não me engano. Muito legal o restaurante, se fosse em outro país poderia se chamar John Peter ou Jean Pierre sem problemas =).

[Enter the Event!]

Chegando la (deviam ser umas 15hs ou 16hs) fomos para o hotel "Formulle 1". Esse hotel seria o equivalente ao Mc Donald's das pousadas, so tem o "necessário" (e as vezes nem isso no caso do Mc), de lá o Sifu marcou um horario para que fôssemos juntos ao Shopping Center da região. Eu e Sihing Chi Yau Si arrumamos nossas coisas e resolvemos ir andando até o hotel do Sifu... por sorte saímos com quase um hora de antecedência. Quem nos conhece sabe o que houve... nos perdemos brutalmente num caminho simples e fomos parar quase do outro lado da cidade enquanto éramos encarados hostilmente pela população local por nosso estilo nitidamente "não-mineiro". Num golpe de sorte (e com o auxílio de alguns bondosos pedestres) conseguimos chegar ao hotel do Sifu no horario, logo em seguida partimos para o Shopping.

O Shopping era do mesmíssimo grupo que coordena o Barra Shopping (e tantos outros pelo Brasil afora) com seu símbolo inconfundível, o trevo de quatro folhas verde (em contraste com a flor de cinco pétalas vermelha). Sabíamos que o Sisok Si Ba estava no Shopping, mas nossos celulares nao funcionavam e nao fazíamos ideia de como encontrar o cara, até que o Sifu avistou um laptop na praça de alimentação e "voila".

Na praça pudemos tomar um café com creme especial e conhecer a Sra. Si Ba (Luisa) e sua irmã. Rodamos mais um pouco enquanto esperávamos pela primeira atividade do evento, um jantar com todos do Clã que já estavam em BH.

Nesse momento, mais uma aventura... minha singela mochila nao contava com nenhum outro traje além do gala (para o jantar do dia seguinte) e do uniforme de treino, sendo o traje adequado ao jantar um pouco mais formal do que jeans e t-shirt. Saí pelas ruas a procura de alguma loja, mas era feriado em BH... encontrei diversos indivíduos realmente estranhos (O.o) e, para variar, me perdi nas tortuosas ruas de BH... sem traje adequado e em cima da hora do jantar, vagava a esmo enquanto ligava pro Sihing (sempre ele LOL) e comentava casualmente: "Me perdi!xD", ouvindo em resposta o clássico "Putz!xD". Como sempre tudo se arranjou e fui ao evento numa elegante, porém despojada, camisa social preta.

Proximo a hora do jantar, nos encontramos na porta do hotel e pude ter contato com Sisok Washington e Sisok Marcelo Abreu pela primeira vez. Enquanto esperavamos um carro que iria nos buscar, conhecemos também um pessoal de Brasília e ficamos papeando até a chegada do Sisok Antonio Carlos Caldeira (conhecido popularmente como Tunico).

No restaurante, já estavam o Sigung Leo, Sitai Vanise e os convidados especiais, Sibakung Nelson Chan e Sibakung Lester Lau, além de uma infinidade de membros do Clã Moy Yat Sang que eu ainda nao conhecia. Esse jantar foi essencial pra conhecer aqueles com os quais dividiríamos esse momento tão especial que seria o jantar do dia 16.


Vale comentar um momento engraçado desse jantar... enquanto disparava flashes na camera do Sifu capturei, acidentalmente, uma foto de Sibakung Nelson enquanto comia e fazia uma expressão engraçada, ao abaixar a camera, nossos olhares se encontraram e ele, enquanto sorria maliciosamente, fez um gesto com a mão no qual eu pude ouvir claramente "aquilo que é seu está guardado". Nao foi de proposito Sibakung, eu juro! (xD). Após o jantar fomos para o hotel com nosso colega de quarto, Sisok Ga Dai Lap, que havia chegado antes em BH, mas não sem antes marcar um Yam Cha com nosso Sifu e com nossa Simo para o dia seguinte.

[The D-Day]

A alvorada tocou cedo no quarto e começamos em ritmo de evento, nos arrumamos e partimos para o Yam Cha! Comemos enquanto assistíamos às Olimpíadas (volei: Brasil x Polônia) e eu atento aos comentários da Simo (que entende alguns milhões de vezes mais desse esporte que eu xD). Após o café da manha partimos para o Nucleo Savassi, onde os Sibakungs palestraram.

A primeira palestra foi de Sibakung Lester... acho que ele leu meus pensamentos e estava olhando para mim quando começou com as seguintes palavras: "A vantagem no Ving Tsun está com os menores, fico impressionado quando vejo pessoas menores treinando com pessoas grandes e fortes e querendo fazer força tambem! Nao é assim!" e daí partiu uma grande palestra sobre estrutura corporal e sobre taan, bong e fuk. Logo após, Sibakung Nelson mostrou seu estilo diferente ao proferir uma célere explanação sobre posicionamento e energia, falando bastante sobre "aproveitar o potencial das situações".



Depois da segunda palestra passamos ao workshop de Sibakung Lester. Pessoalmente, nao encontrei ninguem nesse workshop que estivesse no Siu Nim Tao ou Cham Kiu (apesar de saber que eles estiveram lá). Os Sisoks me perguntavam: "Em que nível você está?" e eu respondia: "Biu Ji". Só que até eu explicar que so tinha visto a primeira parte da forma há poucos dias atrás, já estava conhecendo toda a amplitude da garagem do Nucleo Savassi, ainda bem que eu tive um pré-treino na noite anterior com o Sisok Ga Dai Lap (obrigado Sisok xD).

Na sequencia fomos ao Restaurante Redentor, onde se uniram à nós a Sijeh Sing Yat e o Sihing Willian, juntamente com a Val. Nessa ocasião gostaria de ressaltar que conheci o Thales (filho do Sibak Anderson) adequadamente trajando sua elegante camisa comemorativa, procurem ele na foto! (é o quarto da direita para a esquerda sentado). Foi justamente após o almoço que tiramos a foto oficial com a camisa comemorativa.




Como atividade do turno da tarde, tivemos uma palestra com cara de bate-papo conduzida pelos Sibakungs e pelo Sikung sobre os diversos momentos da Moy Yat Ving Tsun desde a década de 60, em especial, é claro, historias de momentos passados com Sitaikung Moy Yat. Uma que não esquecerei foi do Sibakung Nelson.

Ele estava almoçando junto com Sitaikung Moy Yat e foi servir arroz à seu Sifu. Ao entregar o potinho, Sitaikung olhou e disse: "Tem muito, quero apenas metade". Na mesma hora Sibakung Nelson (na época com 15 anos, se nao me engano) pegou a colher e de um so golpe amassou o arroz à metade do tamanho original, devolvendo ao Sitaikung que riu bastante da atitude. (uhauhahauhauh muito boa mesmo!)



Nesses momentos é que podemos perceber que pessoa ímpar foi Sitaikung Moy Yat, uma grande pena mesmo que eu não tive a oportunidade de conhecê-lo em pessoa, mas todo o legado que ele deixou faz dele realmente imortal.

Sibakung Lester contou ainda a historia da "Sala de Duelo" onde Sitaikung sentava pacientemente durante os dias esperando algum "desafiante" (hauhauhahu essa é demais! quem nao sabe corre atrás!).

Sigung comentou bastante tambem sobre o tempo que passaram juntos, sobre as caronas até a casa do Sitaikung e uma historia interessante tambem sobre uma discussão do Sitaikung Moy Yat e da Sitaipo Helen sobre o quanto o Sigung estava treinando em NY (essa eu tambem nao conto!).

[The H-Hour]

Estava chegando a hora do ápice do evento, o banquete de comemoração, então logo após o bate-papo foi cada um para sua base de operações para se aprontar para a noite que estava por vir. É fato que, nos preparativos mais banais, sempre acontece algo completamente inesperado comigo ou com o Chi Yau Si, e nessa vez nao podia ser diferente. Vou me limitar a dizer que ele teve problemas com o terno. Uma coisa é fato, hoje ele conhece BH melhor que eu. Durante o jantar, como não poderia deixar de ser, todos elegantíssimos seguindo a risca o que a Sitai tinha escrito no blog do evento.



Logo no início da noite ainda tive a chance de conversar a sós com o Sibakung Lester e mandar um abraço do Sihing Fat Lei. As pessoas estavam animadas, todos conversando, admirando a decoração e bebendo refrigerante. Ao longo de um corredor que ligava dois ambientes, estavam expostas as placas comemorativas que seriam entregues aos Membros do Conselho de Mestres. O dificil foi conseguir uma foto delas, o metal estava tão finamente polido que o fotógrafo acabava saindo na foto, caso tentasse angular a claridade do local refletia no metal quase impossibilitando a foto, mas a gente sempre da um jeitinho.No outro ambiente, estavam duas mesas preparadas para o pré-lançamento do livro do Sigung.


Quando o relógio marcava 08:08, um novo momento se iniciou no recinto com o lançamento do livro. Todos foram para a sala de lançamento, quer dizer, todos que nao estavam em missão (We talk and listen to each other only as "Word" for is your...). Nesse momento, o Sigung descrevia, juntamente com Sisok Mordente, as diversas peculiaridades de seu livro, desde o início do trabalho, passando pela concatenação das idéias ate chegar à encadernação num estilo chinês. Ouvir o que foi dito e ler o que foi escrito no prefácio do livro, passa a impressão de ter vivido cada um desses momentos.

Após essa etapa, teve início a comemoração do aniversário propriamente dita, com uma retrospectiva musicada de cada momento da Família Moy Yat Sang. Seguida pela entrega de presentes e das placas ao Sigung e aos Mestres. Esses foram momentos de bastante emoção com a história de cada presente ofertado e rápidas palavras de cada Mestre, além da leitura das cartas enviadas por aqueles que não puderam comparecer.



No final só posso reafirmar que foi uma grande noite, gostaria que todos os membros da Clã pudessem ter vivido esse prazer, em nossa mesa Sisok Fei Lap e Sihing Fat Lei eram frequentemente mencionados.A comida tambem estava excelente, digna do momento.Após o termino das atividades, e da limpeza de um quintal de mármore após a passagem do outono (sachês! há! até isso foi legal. Obrigado, Simo. Eu estava tenso com a importancia de tudo até esse momento, foi nessa hora que eu consegui relaxar) fomos cada um para o seu hotel, mas nao sem marcar o Yam Cha do dia seguinte.

[Time to say goodbye]

No dia seguinte a alvorada se repetiu. Fui com o Sihing Chi Yau Si até o hotel do Sifu para o café, enquanto o Sisok Ga Dai Lap lutava para conseguir arrumar sua mala xD. Mais uma vez, assisti às Olimpiadas (competição de ginastica) sempre atento aos comentários da Simo (ainda bem, senão eu ia ficar boiando xD). Só o que eu entendi foi o sofrimento da atleta chinesa, foi uma pena mesmo, juro que eu pude sentir o desespero da menina naquela mesa de café do outro lado do mundo, ela chegava a soluçar. Depois dessa etapa fomos ao Mogung Savassi, já com as malas devidamente arrumadas dentro do carro do Sifu.

Mais uma vez, a garagem do edifício foi testemunha de um workshop do Sibakung Lester, dessa vez ele falou sobre a técnica das "double running hands", que deu um trabalhão até todos entenderem que se tratava de um "Jau Sao duplo". Depois da preleção, mais uma chance de fazer Chi Sao com pessoas de energia desconhecida. Aproveitei o momento tambem para treinar um pouco com meu Sihing Willian, apesar de treinar no Rio também, vive lá em Angola. No somatório geral, acho que mostrei tudo o que eu podia. Amigos, muito obrigado pelo treino! Voltei matutando bastantes coisas.

Após o treino ocorreu, pela primeira vez, uma cerimonia que deve ocorrer em diversos lugares num futuro próximo. A "inauguração" do Jiu Pai número 8 no Núcleo Savassi. Com todos os Daijins dentro do escritorio do Sibak Anderson.



Depois disso houve um almoço no restaurante Minas II, confesso que me fartei tanto no café da manha do hotel, que nem tive fome. Seguido do ultimo contato com o pessoal e da consequente despedida. A primeira pessoa da qual me despedi foi o Sibakung Nelson, ainda à mesa, a última foi a Mel, já na porta do carro.

No trajeto de volta, mais conversa, mais análise, mais coisa para pensar, mais uma parada no posto que a Simo tanto odeia (aquele que fica do lado de uma loja com a fachada semi-circular). Naquele pequeno trajeto, nasceu um nobre, um conde para ser mais exato. Falamos sobre montanhas e sobre Apreciação... sobre amigos e sobre Persistência... sobre segredos e sobre Caminhar Junto. Foi muita coisa mesmo, que o diga o pára-brisas trincado que foi testemunha de tudo isso.

Já no Rio, ao término de tudo, Sifu me deixou no Fundão e partiu para Jacarépagua, coincidentemente tudo terminou como começou, eu também eu nao imaginava que o Sifu levaria menos tempo do Fundão até Jacarepagua do que eu que só ia até a Ilha do Governador.

Evento é Sam Faat.

1 comment:

  1. Oi sihing, obrigado pela oportunidade de ter um gostinho de como oi o evento
    abraço
    Guilherme de Farias

    ReplyDelete