ONDE PRATICAR

ONDE PRATICAR
Clique na imagem e conheça os Nucleos da Moy Yat Ving Tsun no Rio

Tuesday, August 23, 2016

The NY Times : "Kung Fu is Dying" ( The New York Times: "O Kung Fu está morrendo.")


Por mais uma vez, um dos colunistas do "The New York Times" fala sobre "Kung Fu". Nesta matéria que saiu nas páginas de seu jornal impresso em 23 de Agosto desse ano, e nesta semana numa versão on line. Fala sobre a difícil situação que os diferentes estilos de Kung Fu tradicional estão vivendo em Hong Kong.
Com os altos preços do aluguel, e um aumento no interesse dos jovens por seus celulares , games e outros assuntos que não o Kung Fu. As escolas escasseiam , e as poucas que restam estão vazias.
Para ler a matéria original em inglês clique (AQUI). A tradução do Blog segue abaixo:

For once again, one of the columnists of the "New York Times" talks about "Kung Fu." This article came out in the pages of their printed newspaper on 23 August this year, and this week a version online. Talks about the difficult situation that the different Kung Fu traditional styles are living in Hong Kong.
With the high prices of rent, and an increase in the interest of young people to  their phones, games and other subjects than Kung Fu. The schools are scarce, and the few that remain are empty.
To read the original story in English click (HERE). Translation for portuguese by the Blog follows:

Versão Traduzida:


Jornal "The New York Times" :
 "Exit the Dragon? Kung Fu, Once Central to Hong Kong Life, Is Waning
 ("O Kung Fu , antes fundamental no dia-a-dia de Hong Kong, agora está morrendo.")
por Charlotte Yang 


HONG KONG - Bruce Lee tinha 14 anos, e estava no lado perdedor de várias brigas de rua  com membros de gangues locais, quando ele começou no kung fu.

Era 1955, e em Hong Kong estava em polvorosa, com as escolas a ensinar uma variedade de estilos de kung fu, incluindo técnicas de combate a curta distâmcia e um método utilizando uma arma assustadora conhecida como o "tridente dos nove dragões".

A decisão do Sr. Lee valeu a pena. Depois de aperfeiçoar movimentos como o soco de uma polegada e pontapés sob a tutela de um grande mestre, ele se tornou uma estrela internacional, e apresentou o kung fu para o mundo em filmes como "Enter the Dragon", em 1973.

Décadas mais tarde, sinalização de "saída do dragão"* (* Trocadilho com "Enter the Dragon").

A cultura do kung fu que o Sr. Lee ajudou a popularizar - e que deu à cidade uma imagem corajosa, exótica aos olhos dos estrangeiros - está em declínio. As ruas de Hong Kong são mais seguras, com menos assassinatos por parte das organizações criminosas violentas conhecidas como tríades que figuraram em tantos filmes de kung fu. E seu setor imobiliário está entre os mais caros do mundo, o que torna difícil para as escolas de Kung Fu pagar alugéis crescentes.

Longe vão os dias em que "kung fu foi uma grande parte da vida cultural e de lazer das pessoas", disse  Ricardo Mak, o autor de uma história sobre artes marciais em Hong Kong. "Depois do trabalho, as pessoas iriam para escolas de artes marciais, onde elas cozinhavam o jantar juntos e praticavam kung fu até 11 à noite."

Com uma mudança nas preferências de artes marciais, a ascensão de jogos de video game - mais adolescentes estão a jogar "Pokémon Go" em parques aqui do que praticando um único chute - e  existe uma percepção entre os jovens de que kung fu não é mais tão legal,  artistas marciais de longa data temem que o futuro do kung fu seja sombrio: "Quando eu estava crescendo, muitas pessoas aprenderam kung fu, mas hoje já não é mais o caso"- disse Leung Ting(de 69 anos), que tem ensinado Wing Chun, uma técnica de combate a curta distância, por 50 anos. "Infelizmente, eu acho que as artes marciais chinesas são mais populares no exterior do que em sua terra natal agora."

Poucas escolas de kung fu permanecem em Yau Ma Tei, um distrito de Kowloon, que já foi o centro para as artes marciais. Nathan Road - onde o jovem Bruce Lee aprendeu o Ving Tsun com Ip Man (muitas vezes escrito Yip Man), o lendário mestre que foi o tema do filme de Wong Kar-wai em 2013 "The Grandmaster" - agora está repleta de lojas de cosméticos e farmácias que atendem para os turistas da China Continental..
Embora  viva em Yau Ma Tei, Tony Choi, um graduado recente da faculdade, nunca foi tentado a verificar as escolas de artes marciais que ainda restam. Sr. Choi, de 22 anos, disse que "Simplesmente Kung Fu nunca me veio a cabeça."- Ele acrescentou: "Kung fu é mais para tios aposentados e vovôs".
Quando resolvem praticar artes marciais, as pessoas mais jovens aqui tendem a escolher boxe tailandês e judô. Valerie Ng, um estudante universitária de 20 anos de idade, diz que prefere boxe tailandês porque é "atraente e encantador" e não demora tanto tempo para dominar. Ela observou que os mestres de kung fu muitas vezes não têm músculos definidos e que alguns deles parecem, bem, um pouco gordinhos. - "Você pode ver como feroz boxe tailandês é , só de assistir a lutas profissionais", disse ela. "Mas eu raramente vejo  kung fu nessas lutas, o que me faz pensar se esses mestres de kung fu são realmente bons em combates ou eles simplesmente afirmam ser", disse ela.

Então Tak Chung, de 59 anos de idade, lembra de como as coisas eram diferentes. Quando ele era um menino, ele e seus amigos corriam para casa da escola o mais rápido que podiam para assistir programas de kung fu  na televisão: "Kung fu sempre me deu um senso de justiça e orgulho em ser chinês"-  Sr. Chung então disse ao esticar as pernas para uma aula de noite de domingo em Kowloon Park: "Eu me sentia como se  soubesse kung fu, você poderia bater nos caras maus e ajudar os necessitados."
O então Mestre ,Sr. Mak Che Kong, de 64 anos, é menos esperançoso sobre o futuro. Ele dirigiu uma das últimas escolas em Kowloon na década de 1980, mas os aluguéis crescentes o obrigou a encerrar as atividades, juntamente com outras empresas familiares que antes eram a energia de Hong Kong na sua vida urbana, como farmácias de "Dit Da" (liquidos para lesões), ou de fixação de osso, lojas que usam medicina tradicional chinesa para tratar entorses e fraturas.

Sr. Mak, que não está relacionado com o autor da história de artes marciais, que tem menos de 20 alunos agora, contra o dobro desse número há vários anos. A maioria dos estudantes tem mais de 40 anos de idade. Ele dá aulas em toda a cidade, porque "os alunos não aparecem se eles precisam  viajar muito para chegar ao local de prática".  Às terças-feiras, ele ensina em um cais no distrito central da cidade; às quartas-feiras, perto de um cartório de casamento do Governo em Sha Tin nos Novos Territórios (New Territories); e aos domingos, em um parque público em Kowloon. Às segundas-feiras e sextas-feiras, ele ensina em uma escola de kung fu em um armazém aberto por um de seus alunos.

Descrevendo-se como sendo da "velha guarda", o Sr. Mak ferozmente defende as tradições do kung fu. "Kung fu chinês não é sobre a luta; trata-se de paciência e trabalho duro ", disse ele.

Quando soube do kung fu na década de 1960, mestres eram figuras paternas e seus aprendizes tinham profundo respeito por kung fu. Os estudantes estavam dispostos a gastar meses ou anos aperfeiçoando assim a sua posição de base, uma posição de descanso, muitas vezes usada para a prática de socos e fortalecer as pernas e costas. - "Hoje, se você perguntar a um estudante a praticar postura do cavalo durante uma aula, ele não vai vir de novo", disse Mak. "Eles estão acostumados a viver uma vida confortável."

Em Inglês, kung fu é frequentemente usado como um termo genérico para todas as artes marciais chinesas. Mas em chinês, refere-se a qualquer disciplina ou habilidade que é conseguida através do trabalho duro.
Kung fu traça a sua história para a China antiga, com centenas de estilos de luta a desenvolver ao longo dos séculos. Mas subiu em popularidade no início do século 20, com a revolução cultural que varreu a nação.
Após a queda da dinastia Qing um século atrás, o partido nacionalista chinês, ou o Kuomintang, utilizou as  artes marciais para promover o orgulho nacional, e a criação de competições e enviar uma equipe  para os Jogos Olímpicos. Mas o governo também tentou suprimir os filmes de "wuxia", um  gênero de literatura e cinema sobre artes marciais, pois o considerava muito supersticioso e potencialmente subversivo.

Quando os nacionalistas cairam em 1949, o novo governo comunista em Pequim procurou controlar as artes marciais do continente chinês. O Templo Shaolin, que dizem ser a casa de artes marciais asiáticas no centro da China, foi saqueado durante a Revolução Cultural de 1966-76 e seus monges budistas presos.
Ao longo dessas décadas, artistas marciais da China continental se refugiaram na então colônia britânica de Hong Kong.
Na década de 1970, a febre do kung fu tinha se espalhado por todo o mundo. Além de filmes de Bruce Lee, a série de televisão "Kung Fu", estrelado por David Carradine, se tornou um dos programas mais populares nos Estados Unidos.
O gênero influenciou uma geração de diretores, incluindo Quentin Tarantino e Ang Lee, eo ator Jackie Chan e outros que têm mantido vivo o gênero como comédia.

Em uma reviravolta, kung fu tem desfrutado de um renascimento na China continental, onde o governo o padronizou e o promoveu nas escolas secundárias como um esporte conhecido como "wushu" para promover o orgulho nacional.

Como o centro de artes marciais  desloca-se para o continente, alguns em Hong Kong manifestaram esperança de que o governo de HK poderia apoiar um renascimento também. Outros estão tentando continuar a tradição por si mesmos.

Li Zhuangxin,  de 17 anos de idade, vem estudando a arte do Ving Tsun por mais de quatro anos. Ele foi inspirado pelo seu avô, um devoto do estilo de luta Hung Ga que deu o Sr. Li sua primeira aula de kung fu aos 8 anos.

Ele espera abrir sua própria escola de kung fu um dia - talvez no continente, onde o interesse é maior e os aluguéis são mais baratos - e já criou um pequeno clube de Ving Tsun, com oito membros, em sua escola.

Poucos de seus colegas já tinha ouvido falar de Ving Tsun antes. Sr. Li, destemido, diz que quer transmitir "a concentração e determinação do kung fu" para seus amigos, que ele lamenta serem "interessados apenas em jogar com seus celulares."

No comments:

Post a Comment