sexta-feira, 29 de julho de 2016

VING TSUN LECTURE AT A JUDO CLUB (PALESTRA DE VING TSUN NUM CLUBE DE JUDO)


O bairro do Méier, onde está localizado o Núcleo Méier da Moy Yat Ving Tsun. É um desses bairros super tradicionais da Zona Norte de nossa cidade. Lembro que enquanto procurava um local para ser o Núcleo Méier em 2011, fui inclusive mal recebido em algumas vilas por ser um forasteiro.
E talvez nessa tradição que reside um pouco da mágica do subúrbio carioca. Você saber que se hoje, ou daqui a dez anos for em um determinado local e for bem atendido. O mesmo local e a mesma pessoa estarão lá ainda. E quando um lugar , um estabelecimento, some da paisagem de um bairro assim. Saudosistas , os moradores contam aos mais jovens o que tinha ali: "Aqui , onde é a igreja, antes era um cinema! Vinha muito aqui! Assisti O Retorno de Jedi com sua mãe lá!"

The neighborhood of Meier, where is the Moy Yat Ving Tsun Meier School. It is one of those super traditional neighborhoods of the northern zone of our city. I remember while looking for a place to be our school in 2011,I  was even poorly received in some "villas" because I was an outsider.

And maybe this tradition lies a little of the magic of Rio suburbs. You know that today or ten years from now , if you go to a certain location and is well attended. The same place and the same person will be  still there always. And when a place, an establishment, some of the landscape of such a neighborhood gone. Nostalgic, residents say to the younger what was there: "Here, where the church is,  was once a cinema! I used to come here a lot!I watched Return of the Jedi with your mother here!"

Palestra e Workshop sobre Ving Tsun no Judo Clube Dino´s.
Ving Tsun Lecture and Workshop about Ving Tsun at the Dino´s Judo Clube.


O meu irmão Kung Fu Rodrigo Moreira "Moy Mo Lei", tem uma habilidade muito especial em fazer amigos. Por conta disso, muitos de seus amigos já se interessaram pelo Ving Tsun por sua indicação. Desta vez porém, um deles, Rodrigo Demetrio, que hoje é um dos responsáveis pelo Dino´s Judo Clube no Méier nos convidou para um workshop  . Esse local, assim como dita a tradição do bairro. Tem décadas e décadas de funcionamento, que permitiu com que membros da Família Kung Fu nascidos e criados no bairro como o próprio Rodrigo Moreira praticassem lá quando crianças.

My  Kung Fu Brother Rodrigo Moreira "Moy Mo Lei," has a very special ability to make friends. Because of this, many of his friends are interested in the Ving Tsun by his induction. This time however, one of them, Rodrigo Demetrio, which today is one of those responsible for Dino's Judo Club in Meier invited us for a workshop. This place, as tradition dictates of the neighborhood. It has decades and decades of operation, which allowed that members of the Family Kung Fu born and raised in the neighborhood as Rodrigo Moreira himself practiced there as children.
Era um Sábado a tarde após as atividades das muitas artes praticadas no local além do Judo.  Tínhamos Judocas presentes, convidados e membros da Família. Para mim em especial, era a primeira vez que adentrava o local de um outro grupo para falar de Ving Tsun. Com as diferenças culturais entre Japão e China, precisava ajustar a linguagem para que o Ving Tsun pudesse somar aos presentes e não se defrontar. Para isso, resolvi focar nas semelhanças entre as duas culturas e não em suas diferenças.

It was a Saturday afternoon after the activities of the many arts practiced in place beyond Judo. We had Judoka present there, guests and members of the family. For me in particular was the first time that entered the place of another group to talk about Ving Tsun. Cultural differences between Japan and China needed to adjust the language to the Ving Tsun could add to the present and not be faced. For this, I decided to focus on the similarities between the two cultures and not their differences.
Muito antes daquela tarde, os membros do Clã Moy Jo Lei Ou, já estavam se ocupando de todo o processo. Por isso, foi possível almoçarmos juntos, conversarmos, desenvolver o que seria trabalhado. Ou seja, melhorar em vários aspectos. Por isso, muitos do que não puderam estar lá no momento do workshop se sentiram parte dele.
Para mim, fica a lembrança de um lugar muito especial no qual fomos muito bem acolhidos. Uma casa com um enorme silêncio no meio da barulhenta avenida principal do bairro. Cômodos e corredores que levam até a área dos tatames , mas que também te fazem viajar até sua infância quando as construções eram todas como aquela. E num ambiência envolta por muita hospitalidade, acredito que em algum nível nos foi possível contribuir com a ideia de "Inteligência Marcial" para os judocas daquele DoJo.
Agradecimentos ao Rodrigo por nos receber, seus companheiros de prática, os convidados que compareceram e ao Mestre Dino por abrir as portas.

Long before that afternoon, members of Moy Jo Lei Ou Clan, were already occupying the entire process. So it was possible to have lunch together, talk, develop what would be working. Ie improve in several respects. Therefore, many of which could not be there at the workshop felt part of it.
For me,remains the memory of a very special place in which we were very well received. A house with a huge silence in the middle of the noisy main avenue of the neighborhood. Rooms and corridors leading to the area of tatami mats, but also make you travel to childhood when the buildings were all like that. And in an ambience surrounded by a lot of hospitality, I believe that at some level we were able to contribute to the idea of "Marcial intelligence" for judokas of that DoJo.
Thanks to Rodrigo for having us, his teammates , the guests who attended and  Master Dino to open the doors.



The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@Gmail.com

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Não se Desespere: Use Kung Fu! (Do not loose it! Use Kung Fu!)

(Amanhecer no Méier: Como nossa mente está perturbada, tendemos a pensar que 
nosso entorno mudou. Mas está tudo lá ainda, basta olhar)
(Dawn in Meier: As our mind is disturbed, tend to think that
our environment has changed. But it's all still there, just look)

Gosto muito de um dito que fala que toda pessoa está lutando uma guerra que você nem imagina. E isso é verdade! Quando comecei nas artes marciais aos quinze anos, procurei essa pratica para me proteger de abusos que sofria na escola e nas ruas do bairro. Mas meu Mestre, me falou pela primeira vez sobre as Artes Marciais terem esse nome, pois "Marcial " vem de Marte , o Deus da Guerra na mitologia romana . E que essa guerra era interna, a guerra que temos dentro de cada um de nós e que precisamos enfrentar.
Acontece que talvez o que nos falte, seja assumir a responsabilidade em nossas batalhas. Temos um sentimento estranho de protagonismo que só nos serve quando algo aparentemente deu certo. Quando esta coisa que estamos contando dá errado, não gostamos de lidar com os resultados de nossas ações e começamos a nos sentir vítimas.

No livro "The Shaolin Way"(Demasco,Steve.2005) , o autor fala algo muito interessante a esse respeito: "... Na nossa cultura , nós não reconhecemos esse tipo de responsabilidade e desse modo gastamos muito tempo e energia nos sentindo injustiçados e culpando os outros. Muitos de nós, inundados por expectativas de 'como a vida deve ser' , não aprendemos a aceitar uma situação pelo que ela é e a nos adaptar a ela - mesmo ela sendo horrível!"

I enjoy a saying that says that every person is fighting a war that you can not imagine. And this is true! When I started martial arts at fifteen, I tried this practice to protect me from abuse I suffered at school and in the neighborhood streets. But my Master,  spoke about the Martial Arts have this name because "Martial" comes from Mars, the God of War in Roman mythology. And this war was internal, the war that we have inside of us is that we must face.
It turns out that maybe  we lack, or take responsibility for our battles. We have a strange sense of leadership that only serves us when something apparently worked. When this thing we're counting goes wrong, we do not like to deal with the results of our actions and begin to feel victims.

In "The Shaolin Way" (DeMasco, Steve.2005), the author says something very interesting in this regard: "... In our culture, we do not recognize this type of responsibility and thus spend a lot of time and energy feeling . wronged and blaming others. Many of us, overwhelmed by expectations of 'how life should be,' we do not learn to accept the situation for what it is and to adapt to it - even if it is horrible "
(Você pode relaxar, se compenetrando em pequenas ações do dia-a-dia. 
Mesmo as mais simples, esteja presente no que está fazendo!)
(You can find relaxation, getting yourself immerse in small actions from day-to-day.
Even the most simple, be present in what you're doing!)


O Ving Tsun, arte marcial que pratico desde meus 15 anos, não insere em sua prática, costumes e ritos religiosos. Mas sua origem está ligada ao Templo Shaolin (Siu Lam), o qual era budista. Sobre o budismo, meu Si Fu costuma dizer que algo dado como certo, é que "Vamos sofrer"... Vamos sofrer até mesmo tentando não sofrer. E em muitos de meus momentos de angústia, quando o ar parecia faltar, o peito apertava e tudo parecia perdido. No meio daquela escuridão que as vezes caímos, ouvia sua voz me chamando de volta. Si Fu (Como chamamos o "Mestre" em cantonês), sempre me falou sobre a vida ser cíclica. E o sucesso de hoje, pode ser o estopim para um grande fracasso posterior. Ou vice-versa. Mas de fato, nada disso importa, porque precisamos aproveitar o processo dos acontecimentos. Acontece, que ou estamos muito felizes para estar atentos aos desdobramentos, ou muito arrasados para ver as coisas como elas são.

The Ving Tsun, martial art I practice since I was 15, did not enter into its practice, customs and religious rites. But its origin is linked to the Shaolin Temple (Siu Lam), which was a Buddhist Temple. About Buddhism, my Si Fu say something taken for granted, is that "We will suffer" ... We suffer even trying not to suffer. And many of my moments of anguish, when the air was missing, my chest tightened and all seemed lost. In the midst of darkness that sometimes we fall, I heard his voice calling me back. Si Fu (The way we call the "Master" in Cantonese), always told me about life being cyclical. And the success of today may be the  a trigger for a major failure later. Or vice versa. But in fact, none of that matters, because we need to enjoy the process of events. It turns out that either we are very happy to be attentive to developments, or too devastated to see things as they are.
(Meu Si Fu faz o Siu Nim Tau na antiga sede mundial da Moy Yat Ving Tsun em NY)
(Si Fu does Siu Nim Tau at the former Moy Yat Ving Tsun headquarters)



Sofrimento na maioria das vezes está relacionado a não conseguir o que queremos. E uma prática muito interessante do Ving Tsun para momentos como este é o "Siu Nim Tau": Uma sequência de movimentos numa base estacionária, que quando executado com o coração presente, permite com que você esteja presente no momento e em nenhum outro lugar. Durante o tempo em que você estiver executando o Siu Nim Tau, você está respirando e pode tomar um ar com relação a tudo que está acontecendo. É claro, que não será tão fácil num primeiro momento! Mas lutar não diz respeito a enfrentar situações de crise?
Quando fazemos Siu Nim Tau, nos focamos totalmente nos detalhes , e essa é uma maneira de meditar sob pressão, e é tudo menos passiva. Essa atitude , de buscar o relaxamento durante a crise, diz respeito a entender que a vida vem com muitas coisas ruins sobre as quais você não tem controle, como a morte, mas o controle da mente está sempre disponível para você.

Suffering most often is related to not getting what we want. And a very interesting practice of Ving Tsun for moments like this is "Siu Nim Tau": A sequence of movements in a stationary stance, which when run with one´s heart, allows you to be present at the time and nowhere else. During the time you are running Siu Nim Tau, you are breathing and can have an air about everything that's going on. Of course, that will not be easy at first! But fighting is not about to face a crisis?
When we Siu Nim Tau, we fully focused on the details, and this is a way to meditate under pressure, and is anything but passive. This attitude of seeking relaxation during the crisis, concerns understand that life comes with a lot of bad things about which you have no control, such as death, but the mind control is always available to you.
Meu nome é Thiago Pereira, tenho 32 anos e pratico Ving Tsun desde os 15. Sou o primeiro Mestre de Ving Tsun da história de Rocha Miranda, localidade onde nasci, e só cheguei até aqui graças a orientação de meu Si Fu(foto), mas principalmente a cada pequeno acontecimento que se deu: Desde os mais felizes até os mais horríveis.
Não sei quem é você que está lendo nesse momento... Não sei se você perdeu seu emprego, não sei se você perdeu o amor da sua vida, não sei se você está apenas se sentindo sozinho. Mas tenho apenas uma coisa para te dizer: Se você apenas conseguir passar por esse momento, se você apenas deixar o tempo passar... Um dia, você vai se sentir agradecido pelo que está passando agora! Sei que nesse momento é difícil de acreditar, mas entenda: Isso vai acontecer se você deixar.

My name is Thiago Pereira, I am 32 years old and I practice Ving Tsun since 15. I am the first Master of Ving Tsun history of Rocha Miranda, a town where I was born, and only got here thanks to guidance from my Si Fu (photo) but mostly every little event that occurred From the happiest even the most horrible.
I do not know who are you are reading right now ... I do not know if you lost your job, do not know if you lost the love of your life, do not know if you're just feeling alone. But I have only one thing to tell you: If you just get through this time, if you just let time pass ... One day, you will feel grateful for what's going on now! I know that time is hard to believe, but understand: This will happen if you fail.


THE DISCIPLE OF MASTER JULIO CAMACHO
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com

terça-feira, 26 de julho de 2016

5 razões para praticar Ving Tsun (Wing Chun): A Arte do "Grande Mestre" Ip Man

O filme "O Grande Mestre" (Ip Man ,2008), foi um sucesso inesperado de locação na época. As suas cópias piratas venderam bastante também. E até hoje, em serviços de TV paga ou de streaming como o NETFLIX, é recorde de audiência. Mas por qual razão?
Os filmes de artes marciais sempre nos trouxeram momentos divertidos, quando víamos o herói fazendo coisas que uma pessoa comum não seria capaz sem muito treino. Mas em "O Grande Mestre", além das peripécias corporais , observamos que Ip Man, personagem principal, tinha acima de tudo: Disciplina, elegância, etiqueta, respeito, determinação e muitas outras características necessárias em nosso dia a dia que qualquer um pode desenvolver.
Por isso, vamos ver aqui os cinco motivos para praticar a arte de Ip Man: O Ving Tsun (Ou "Wing Chun) numa das instituições mais renomadas do mundo que está presente nos bairros da Barra da Tijuca e Méier no Rio de Janeiro: A Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence .


5 - Foi fundado por uma mulher:
Ving Tsun é uma arte marcial composta por seis niveis. Esta configuração que chamamos de "Sistema Ving Tsun" em seis níveis, foi estruturado por uma mulher. Porém, vale ressaltar que estamos falando de uma China de cerca de 300 anos atrás, quando sua sociedade era ainda mais favorável aos homens. Além disso, "Ving Tsun" (lê-se "Wing Chun"), é o nome dessa mulher : Yim Ving Tsun.
O fato de uma mulher ter fundado esta arte, dá a ela uma série de diferenciais exclusivos, como a habilidade de enfrentar desafios e situações de crise valendo-se da natureza feminina. Por exemplo: Não vamos tomar uma decisão porque queremos ou porque podemos. Vamos estar sensíveis, para perceber o melhor momento de agir. Seja corporalmente, ou no dia-a-dia quando precisamos tomar decisões importantes.

4- Se Luta de Frente.

Geralmente no dia-a-dia nos deparamos com situações que nos destabilizam profundamente. Outras vezes, essas coisas que nos acontecem inesperadamente, parecem afetar apenas a nós e mais ninguém. Nesses momentos, tendemos a nos recolher e nos voltar para dentro, mas o Ving Tsun (Wing Chun) trabalha o enfrentamento de situações de crise numa guarda diferente das demais: De frente para o adversário!
Num primeiro momento você pode se sentir desconfortável e exposto, mas lembre-se que ao encararmos desafios, nosso primeiro instinto é nos proteger ou nos envolvermos apenas parcialmente com a situação. Quando nos posicionamos de frente, temos a nossa disposição os dois braços e as duas pernas. Todos com a mesma possibilidade de cobrir a distância.
Se conseguirmos relaxar para enfrentar um adversário de frente, vamos conseguir relaxar em momentos de crise.

3- Atenção Cuidadosa e Zelo.
Certa vez perguntaram a esposa do falecido ator Christopher Reeves numa entrevista, como ela lidava com a condição de seu marido, que não podia se mexer do pescoço para baixo. Ela teria dito que em alguns momentos achava que iria enlouquecer, mas que nesses momentos, procurava algum trabalho voluntário ou humanitário, e ao se deparar com outras pessoas e seus problemas, mudava o foco de sua situação e relaxava.
No Ving Tsun (Wing Chun), trabalhamos mais essa característica feminina: A "Atenção Cuidadosa". O praticante é levado a prestar atenção ao seu adversário, pois entende que a vitória é oferecida pelo outro e não conquistada a força. Além disso, num ambiente familiar , o cuidado com o companheiro é muito levado a sério em todos os niveis. E é claramente possível perceber , que quando alguém se vincula de coração à prática com uma outra pessoa nessa arte, independente dos problemas que esteja passando, o praticante é capaz de permanecer presente no momento e em nada mais.
Em situações de crise de ansiedade ou ataques de panico, muito comuns na sociedade moderna, a habilidade de manter a mente presente e enxergar as coisas como elas são, se faz fundamental.

2- Ving Tsun(Wing Chun) é para qualquer idade.
Existe uma visão errônea a respeito das artes marciais, de que apenas jovens podem praticar. Isso não é verdade. O Ving Tsun (Wing Chun), teria se originado de uma prática no Templo Shaolin direcionada a pessoas com idade mais avançada. Seus movimentos simples e que não requerem performances atléticas, favorecem isso. Além disso, o próprio Ip Man começou com 11 anos de idade. Mostrando que as crianças também tem o seu espaço.
Seja na fase de crescimento, quando a criança ainda está descobrindo seu corpo ou na melhor idade, quando se é preciso resinificar a maneira como vamos usá-lo devido a limitações, o Ving Tsun (Wing Chun) do "Grande Mestre" é possível para qualquer idade.


1- Relação Mestre e Aluno:

No Ving Tsun (Wing Chun) a base do desenvolvimento humano está na relação Mestre e Aluno. Não a do filme, não a do Sr. Miyagi em "Karate Kid" ou do Pai Mei em "Kill Bill". Mas no fato de que o praticante de Ving Tsun , não vai se deparar com um professor ou alguém que sabe tudo. Mas sim, com alguém que está apenas a mais tempo nesse caminho. O que permite com que um aprenda com o outro e se desenvolvam juntos, através de uma relação que um dos discípulos de Ip Man, Grão-Mestre Moy Yat, chamou de "Vida Kung Fu". Ou seja, uma relação que possui um potencial de aprendizado com cada acontecimento. O que permite que o aprendizado seja para sempre, muito além das técnicas.


Talvez por esses e outros fatores , o filme "O Grande Mestre" tenha feito tanto sucesso. Pois não mostra o brutamontes que atira e explode coisas nem tão pouco o herói chinês invencível. Vemos um pai de família, como tantos pais. Vemos um marido, como tantos maridos. E vemos alguém passando por desafios para defender seus valores pessoais como nós fazemos todos os dias.
A boa notícia , é que os moradores da Barra da Tijuca, Méier e das adjacências desses dois bairros como Recreio, Tijuca, Grajaú, etc... Podem praticar esta arte nos Núcleos Barra e Méier da Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence, ligando ou mandando mensagem por whats app para o número (21)98809-8862 de Segunda a Sábado de 08h as 22h.




Visit of the Disciple of the Disciple of Si Fu Ricardo Moraes, from Pui Chan Lineage (Wha Lum Kung Fu)



Elizabeth Bambino, uma sinóloga francesa, diz que o jogo de Mah Jong é uma janela de abertura para os costumes chineses. "A metáfora da cultura do mahjong, sua igualitária força motriz, os sons estonteantes e gestos, bem como o chá-sorvendo, beber vinho e a atmosfera envolvente enquanto se joga, tudo isso tira o sentimento de um destino condenado e a relação entre as pessoas e o poder secular " - explica ela.

Elizabeth Bambino, a French scholar, says the game is a window into Chinese manners. “The metaphor of mahjong culture, its egalitarian driving force, the dizzying sounds and gestures, as well as the tea-sipping, wine-drinking and the immersive atmosphere while playing it, all this takes away the feeling of a doomed destiny and the relationship between people and the secular power,” she explained.


A mágica do Mahjong é o sentimento...De saber que um movimento errado ou a falta de atenção pode levar a vitória ou a derrota. Um jogador experiente, sempre vê a vitória na próxima rodada. Ele ou ela sabem que o jogo se desdobra em muitas novas oportunidades que se apresentarão por si mesmas, ao lado de muita expectativa e esperança , situação essa, comum de se encontrar em situações do dia a dia( The Book of Mahjong,2001. Amy Lo).

The magic of Mahjong is the feeling ... To know that one wrong move or inattention can lead to victory or defeat. An experienced player, always see the victory in the next round. He or she knows that the game unfolds into many new opportunities that will present themselves, along with much expectation and hope, a situation, common to meet in daily life (The Book of Mahjong., 2001 Amy Lo).

VISITA DO DISCÍPULO DO SI FU RICARDO MORAES 
DA LINHAGEM PUI CHAN (Wah Lum Kung Fu)
Visit of the Disciple of the Disciple of Si Fu Ricardo Moraes,
from Pui Chan Lineage (Wha Lum Kung Fu)

(Foto oficial do encontro no Mo Gun da Família Moy Fat Lei do Clã Moy Jo Lei Ou)
(Official photo of the meeting at the Mo Gun of Moy Fat Lei Family from the Moy Jo lei Ou Clan)


Num fim de tarde no Mo Gun do Méier da Linhagem Moy Yat. Recebemos felizes , a visita do Si Fu Antonio Guerreiro e sua esposa Suelen Guerreiro (foto) , ambos da linhagem Pui Chan de Wah Lum Kung Fu.

One evening in Mo Gun of Meier from the  Lineage Moy Yat. We get happy, because of the visit of Si Fu Antonio Guerrero and his wife Suelen Guerreiro (photo), both from Pui Chan lineage of Wah Lum Kung Fu.

Recebi o casal ainda na porta do Mo Gun e um carinhoso presente das mãos do Si Fu Antonio: Um Blu-Ray do Documentário "Kung Fu Pioneer" que conta a história de vida do Grão-Mestre Pui Chan do estilo Wah Lum. Este documentário quando assisti a primeira vez por indicação do próprio Antonio, me emocionou muito. Pois geralmente quando vemos grandes nomes do Mo Lam, não sabemos pelo que essas pessoas passaram.

I received the couple still in Mo Gun door and a loving gift from the hands of Si Fu Antonio: A Blu-Ray of the Documentary "Kung Fu Pioneer" which tells the life story of Grandmaster Pui Chan from Wah Lum style. This documentary when I saw the first time because of Antonio himself, moved me a lot. Because usually when we see big names from Mo Lam, we do not know for what these people went through.

Fiquei muito impressionado com o Kung Fu demonstrado por Antonio e sua esposa do momento em que chegaram ao momento em que partiram. Logo que chegaram, Antonio me ofereceu algumas frutas para a nossa mesa ancestral. Ainda posso me lembrar de quando Si Fu me falou da importância de ao se visitar alguém que não conhecemos o gosto, levarmos frutas. No caso de um Mo Gun, as frutas ficam na mesa ancestral e também é de bom tom oferecê-las.
Estávamos ali, como no processo de um jogo de Mah Jong: Cada movimento, cada fala ... Tudo expressava de alguma forma o nosso Kung Fu. De forma invisível, e não barulhenta quanto numa mesa onde as pedras de marfim ficam batendo. Além disso, precisava estar atento ao que era culturalmente inerente ao Ving Tsun, ao Mo Lam e a cultura chinesa em geral, para não criar nenhuma situação constrangedora. Acredito, que tenhamos ido bem recebendo o Si Fu Antonio e sua esposa.

I was very impressed with the Kung Fu demonstrated by Antonio and his wife from the moment they arrived to the time they left. Once arrived, Antonio gave me some fruit for our ancestral table. I can still remember when Si Fu told me about the importance of when we visit someone who we do not know well, we offer fruit. In the case of a Mo Gun, fruits are in the ancestor´s table and is also good tone offer them.
We were there, as in the case of a game of Mah Jong: Every movement, every line ... Everything expressed somehow our Kung Fu. Invisibly, not noisy as a table where the ivory stones are hitting. Also, I needed to be aware of what was culturally inherent only in Ving Tsun, only in the Mo Lam and only in Chinese culture , not to create any awkward situation. I believe that we have done well getting the Si Fu Antonio and his wife.
Os presentes puderam ouvir muitas histórias do casal sobre passagens suas com seu Si Fu e com o próprio Grão-Mestre Pui Chan, neste incrível intercambio entre estilos. Sempre elegante em suas palavras e modo de se expressar, Si Fu Antonio deixou claro a cada frase, todo o aprendizado que obteve através da convivência. Os presentes sorriam, associando suas histórias a de nossa própria Família, tendo em vista que o que chamamos de "Vida Kung Fu", é o que mais priorizamos em nossa instituição. E por isso, todos se emocionaram em encontrar dois outros membros do "Mo Lam" que compartilhavam do mesmo processo.
Karyn L. Lai, diz em seu livro "An introduction to chinese philosophy"(2008), que uma característica proeminente da argumentação na filosofia chinesa é sua preferência por imagens, pelos exemplos, pelas analogias, pelas metáforas e pelas ilustrações sugestivas e evocativas.
Segundo ela, o objetivo de se usar tais dispositivos argumentativos não é alcançar a precisão nas descrições e explicações ou clareza na expressão. Esse uso da argumentação reflete uma preocupação para iluminar as ideias, explorar suas implicações e averiguar suas aplicações.

The participants could hear many stories of the couple on their moments with their Si Fu and the Grandmaster Pui Chan himself,trough this amazing exchange between styles. Always elegant in his words and expressing themselves, Si Fu Antonio made it clear in every sentence, all learning that got through living with his Si Fu and Grandmaster Pui Chan. The present people there smile, linking their stories to our own family, bearing in mind that what we call "Kung Fu Life", is the most prioritized in our institution. And so, all were moved to find two other members of "Mo Lam" who shared the same process.
Karyn L. Lai says in her book "An introduction to chinese philosophy" (2008), that a prominent feature of argumentation in Chinese philosophy is its preference for images, for example, by analogies, metaphors and by the suggestive and evocative illustrations.
According to her, the purpose of using such devices is not argumentative achieve accuracy in descriptions and explanations or clarity of expression. This use of argument reflects a concern to illuminate the ideas, explore its implications and verify its applications.

 Antonio terminou a visita falando da importância dessa aproximação e de nossa responsabilidade , como a geração atual de Si Fu, de levarmos adiante o trabalho das gerações anteriores.
Quando se está numa mesa de Mah Jong, você aproveita o momento , o processo e a companhia. Mas não pode se desligar do que está a sua volta, pois se não acaba perdendo. No "Mo Lam", através de formalidades invisíveis que nos permeiam junto da humanidade que nos é inerente. Somos capazes de curtir um momento como este, apreciando tudo de bom que a pessoa conseguiu receber de seu Si Fu e que nos é possível perceber. Por isso , quero agradecer a visita de Antonio e Suelen, Sr e Sra Guerreiro, que muito nos alegrou! Espero que retornem mais vezes!

Antonio finished the visit talking about the importance of this approach and our responsibility as the current generation of Si Fu, we take on the work of previous generations.
When we are on a table of Mah Jong, you enjoy the moment, the process and the company. But you can not turn off what is around you, because you will end up losing. In "Mo Lam" by invisible formalities that pervade us with the humanity that we are inherent. We are able to enjoy a moment like this, enjoying all the good that the person was able to get from his Si Fu and  we can perceive. So I want to thank the visit of Antonio and Suelen, Mr and Mrs Guerreiro, which we are very glad! I hope to return more often!


The Disicple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvT@gmail.com

segunda-feira, 11 de julho de 2016

The legacy of the King of Luk Dim Bun Gwaan

(Salão principal do novo Mo Gun , sede do Clã Moy Jo Lei Ou)
(Main Hall of the new Mo Gun, headquaters of Moy Jo Lei Ou Clan)

Me lembro de entender do que Si Fu falou certa vez que após o falecimento do Patriarca Moy Yat. Os membros seniors da Moy Yat Ving Tsun se reuniram para decidirem alguns pontos a respeito do que viria a seguir. Em determinado momento, um deles teria dito, que todos deveriam permanecer juntos, pois tinha um pouco do Kung Fu de Si Taai Gung Moy Yat  com cada um deles. E a única maneira de ter a completude disso, era permanecerem juntos.
Acredito que no Clã Moy Jo Lei Ou também seja assim: Cada um de nós tem um pouco do Kung Fu do Si Fu que continua evoluindo constantemente. Mas um dos discípulos desse Clã, Carlos Antunes "Moy Shan Si". Hoje conhecido como "O Rei do Bastão do Clã Moy Jo Lei Ou", devido a sua habilidade com o "Luk Dim Bun Gwaan". Parece ter assimilado de um jeito bem especial essa ideia.

I remember to understand what Si Fu once said that after  Patriarch Moy Yat passed. The senior members of the Moy Yat Ving Tsun met to decide some points about what would follow. At one point, one would have said that everyone should stay together because There was a bit of Si Taai Gung Moy Yat's Kung Fu  in each of them. And the only way to have the completeness of it, was stay together.
I believe that the Clan Moy Jo Lei Ou also be like this: Each of us has a bit of Si Fu´s Kung Fu  that continues to evolve constantly. But one of the disciples of this clan, Carlos Antunes "Moy Shan Si". Now known as "The King of the Luk Dim Bun Gwaan", due to his ability and understanding. He has incorporated in a very special way this idea.
Si Fu comentou por diversas vezes para mim e outros irmãos Kung Fu , sobre a importância de não impormos nossas vontades e jeito sobre o que acontece ao nosso redor. Mas trabalharmos nossa habilidade de nos ajustarmos ao ambiente, de forma a tirar o melhor proveito possível, ainda que não fosse uma atividade ou realidade que nos agrade.
Carlos Antunes(Foto), assumiu a Direção do Núcleo Barra após a gestão de seu Si hing Thiago Silva no inicio desse ano. Esse processo começou ainda em nosso antigo endereço, e desde aquela época, ficou bem claro que não era algo almejado por Carlos ou uma posição que ele se sentisse bem. Mas não parecia ter mais ninguém para fazê-lo. E corajosamente, Carlos assumiu esse papel.
Me refiro a coragem nesse momento, pois como Si Gung Leo Imamura fala, a coragem e a covardia são circunstanciais e não inerentes.

Si Fu said several times to me and other Kung Fu brothers, about the importance of not impose our will and way about what happens around us. But we work our ability to adjust to the environment in order to make the best of it, although it was not an activity or reality we please.
Carlos Antunes (photo), took the School direction  after his Si hing Thiago Silva at the beginning of this year. This process started still in our old address, and since that time it became clear that it was not something sought by Carlos or a position that he felt good. But it seemed to have no one else to do it. And bravely, Carlos took over this role.
I talk about courage at this point because as Si Gung Leo Imamura speech, courage and cowardice are circumstantial and not inherent.
(Si Hing Cledimilson e Fabiano montam o Muk Yan Jong)
(Si Hing Cledimilson and Fabiano building the Muk Yan Jong)

Carlos Antunes promoveu a mudança de endereço para um local muito mais condizente com o peso de nosso Clã(foto). Uniu irmãos Kung Fu para ajudá-lo nesse processo e organizou ainda mais o Núcleo Barra. Dedicando muito de seu tempo , já que trabalha em outra profissão e é casado, para que o novo Mo Gun fosse construído.

Carlos Antunes promoted the change of address for a much more consistent place with the weight of our Clan (photo). Gathered Kung Fu brothers to help him in this process and further organized the School. Devoting much of his time, since he works in another profession and is married, to the new Gun Mo was built.
(Si Taai no novo Mo Gun observada por Si Gung)
(Si Taai at the new Mo Gun watched by Si gung)

E entre lágrimas e momentos felizes, Carlos proporcionou com seu empenho, uma nova casa para nosso Clã. E tudo isso, porque seu Si Fu precisou . Estou frisando isso, porque no meu caso, a direção do Núcleo Méier é a minha profissão. Outros membros do Clã ajudam em seu tempo livre , mas me pergunto quanto tempo aguentaríamos no lugar de Carlos Antunes: Estar numa posição desconfortável para nós, apenas porque somos Dai Ji e porque alguém tinha de fazê-lo.

And between tears and happy moments, Carlos provided with his commitment, a new home for our clan. And all this because his Si Fu needed. I am stressing this because in my case, the direction of  Meier School is my profession. Other Clan members help in their spare time, but I wonder how long we could take it in  Carlos Antunes' place : Being in an uncomfortable position for us, just because we are Dai Ji and because someone had to do it.
(Com Vladimir Anchieta, aprendendo "Jing Choei" na antiga casa de Si Fu em 2009)
(With Vladimir Anchieta, learning "Jing Choei" at Si Fu´s former house -2009)

Quando praticava o "Jing Choei"(foto) , Componente Associado do Domínio Luk Dim Bun Gwaan. Si Fu costumava me dizer, que se eu me sentisse cansado antes de completar o trajeto que tinha me disposto a cumprir fazendo esse movimento. Eu deveria levantar-me com altivez, e não me desmanchar ou fazer ruídos demonstrando que tinha cansado: "Quem está de fora, não precisa saber do que está por dentro" - Si Fu me disse certa vez.

When I was learning "Jing Choei" (photo), Associate Component of Luk Dim Bun Gwaan Domain. Si Fu used to tell me that if I felt tired before completing the path that I had arranged to get doing this movement. I should get up haughtily, not breaking up or make noises showing that I had fallen: "Who look from Outside do not need to know what's inside" - Si Fu once told me.
(Si Fu no novo Mo Gun)
(Si fu at the new Mo Gun)

E isso também faz de Carlos Antunes o "Rei do Bastão". Porque entre dores e a vontade de parar, ele conseguiu trazer sua gestão até o ponto adequado para passá-la a outro irmão Kung Fu. Com altivez, sem mostrar o que estava por dentro... Como se estivesse fazendo "Jing Choei".
A qualidade de membros do Clã Moy Jo Lei Ou como Carlos Antunes, se deve a coragem de Si Fu(foto), em abrir espaço para que estas pessoas se expressem, mesmo arriscando em alguns momentos a fonte de seu sustento: "...Pereira, só podemos controlar o que é pequeno..." - Me disse Si Fu durante uma conversa.

And it also makes Carlos Antunes the "King of the Gwaan." Because with pain and the will to stop, he managed to bring his management to the appropriate point to pass it to another Kung Fu brother. Haughtily, without showing what was inside ... As if he was making "Jing Choei".
The quality of the Moy Jo Lei Ou Clan members as Carlos Antunes, shows the courage of Si Fu (photo), in opening space for these people to express themselves, even risking at times the source of his livelihood, "... Pereira, we can only control what is small ... "- Si Fu said during a conversation.
Parece que o Kung Fu de Si Taai Gung Moy Yat, se ramificou ainda mais depois daquela conversa. E hoje podem ser encontradas partes desse Kung Fu em pessoas especiais como Si Fu e Carlos Antunes. Porque "Jing Choei" , esse componente associado do Luk Dim Bun Gwaan, também significa "Soco de Batalha". E realizá-lo de forma a inspirar quem observa , ainda que por dentro estejamos a cada movimento implorando para acabar logo ou nos dizendo para desistir, é algo que só alguém especial pode alcançar. Alguém como Carlos Antunes.

It seems that the Kung Fu of Si Taai Gung Moy Yat, rooted out even more after that conversation more thn a decade ago. And today parts can be found in special people like Si Fu and Carlos Antunes. Because "Jing Choei", this component associated with the Luk Dim Bun Gwaan also means "Battle Punches". And realize it in order to inspire who watches, even if inside're every move begging to end soon or telling us to give up, is something only someone special can achieve. Someone like Carlos Antunes.


The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com

terça-feira, 5 de julho de 2016

Biu Ji with Si Fu : Trip with Si Fu part 2

(Da esquerda p/ direita: Rodrigo Moreira, Si Fu e eu em São Paulo.)
(From left to right: Rodrigo Moreira, Si Fu and I in Sao Paulo)

Faz um tempo que assisti "Mad Max 2" com Mel Gibson (Esse sim o Mad Max!). Caso não esteja enganado, que narra toda a aventura de Max naquela continuação, é um estranho garoto com um Boomerang que vive numa cidade cercada em Wasteland. Max (Mel Gibson), não fala nada sobre sua experiência naquela alucinante fuga com o caminhão, mas sim o menino relata a passagem que teve com o anti-herói.
Hoje, faço as vezes do "Menino do Boomerang" para contar a passagem que tive com meu irmão Kung Fu mais novo(Si Dai), Rodrigo Moreira "Moy Mo Lei". Um discípulo de Si Fu assim como eu . E que assim como eu também, esteve com ele na viagem para São Paulo , na qual haveriam reuniões do Conselho de Mestres e o aniversário de Si Taai.
O alinhado Rodrigo que aparece na foto acima, está atualmente tendo acesso ao Domínio Biu Ji. E posso dizer, que em todos esses anos de Família Kung Fu, poucas vezes presenciei alguém "respirar o Biu Ji" como nessa viagem... Acredito que Rodrigo nunca mais a esquecerá...

Years and years ago I watched "Mad Max 2" with Mel Gibson (The real Mad Max!). If not mistaken, the one who tells all Max adventure in this sequence, is a strange boy with a Boomerang living in a city surrounded in Wasteland. Max (Mel Gibson), says nothing about his experience at that breakneck escape with the truck, but the boy tells the passage he had with the antihero.
Today, I will be the "Boomerang Boy" who will tell the passage I had with my younger  Kung Fu brother (Si Dai), Rodrigo Moreira "Moy Mo Lei". A disciple of Si Fu like me. And  as I was also  with him on the trip to São Paulo, where there would be meetings of the Masters Council and the anniversary of Si Taai.
A very well dressed Rodrigo appearing in the photo above, is currently having access to Domain Biu Ji. And I can say that in all these years of Kung Fu Family, I never witnessed someone "breathe Biu Ji" as in this trip ... I think Rodrigo will never forget it ...
(Eu e Rodrigo passeando em São Paulo no início dos anos 2000)
(Thats me and Rodrigo hanging out in Sao Paulo in the early 2000's)

Estudei com Rodrigo durante toda a faculdade, e conversar com o jovem Rodrigo Moreira na primeira metade dos anos 2000 era certeza de ouvir duas coisas: A vez em que ele comeu uma macarronada com o primeiro Si Fu com quem teve contato. E de quando viajou para a Disney e o Dólar estava "1 pra 1' com o Real.
Viajamos juntos algumas vezes, e numa delas passeamos por São Paulo(foto),e na oportunidade não se tinha muito com o que se preocupar. Eu ainda conhecia bem a cidade naquela época e sabia me virar. Ficamos na casa de uma tia minha e se perder ou passar por momentos de pressão não era algo que passava por nossas cabeças.

I studied with Rodrigo throughout college, and to talk to the young Rodrigo Moreira in the first half of the 2000s was sure to hear two things: The time he ate a pasta with the first Si Fu with whom he had contact. And when he traveled to Disney and the dollar was "1 to 1" with brazilian money.
We traveled together a few times, and one of them hanging out by Sao Paulo city (photo), and the opportunity had not much to worry about. I still knew the city at that time and I could stay cool. We stayed in the house of an aunt of mine and get lost or go through times of pressure was not something that went through our head.
(Si Fu a esquerda, Si Suk Queiroz no centro e Rodrigo a 
direita na Casa dos Discípulos em São Paulo)
(Si Fu in the left, Si Suk Queiroz in the middle and Rodrigo 
in the right at the Disciple´s House in Sao Paulo)

Muitos anos se passaram até que sentássemos juntos no carro do Si Fu naquela Sexta-feira rumo a São Paulo. Havíamos tentado antecipar tudo o que era possível. Pois desta vez, "pressão" e "se perder" eram duas possibilidades bem presentes.
Após Si Fu dar a partida e andar com o carro poucos metros ainda na Barra da Tijuca, Rodrigo ligou seu aplicativo de GPS. Si Fu comentou: "Não precisa. Só quando chegar no final da Dom Pedro eu vou precisar..." - As horas passavam voando, mas nosso carro nem tanto. Principalmente quando resolvi dirigir a 80 km/h na Dutra enquanto Si Fu dormia. O que nos fez perder um bom tempo.
Falamos de Asimov, Senhor dos Anéis e Rodrigo pôde mostrar a Si Fu todo o seu conhecimento literário na primeira parte do trajeto...
Na primeira parada, Si Fu dedicou um tempo a Rodrigo em particular, perguntando coisas sobre ciências, campo de trabalho de Rodrigo...
Tudo ia bem, mas poucos perceberam o mau presságio da barra de cereal!

Many years passed before we sit together in the Si Fu's car that Friday towards São Paulo. We had tried to anticipate everything that was possible. For this time, "pressure" and "get lost" were two very present possibilities.
After turn on the car and ride a few meters further in Barra da Tijuca neighborhood, Rodrigo turned  his GPS app on. Si Fu said: "Do not need that. Just when we arrive at the end of Dom Pedro Road I'll need ...." - The hours spent flying, but our car not so much. Especially when I decided to drive 80 km / h in Dutra Road  as Si Fu slept. What made us lose a good time.
We talk about Asimov, Lord of the Rings and Rodrigo could show Si Fu all his literary knowledge in the first part of the journey ...
At the first stop, Si Fu dedicated a time to Rodrigo in particular, asking questions about science, Rodrigo labor camp ...
Everything was going well, but few realized the bad omen of the cereal bar!
(Rodrigo e Si Fu no último café-da-manhã antes de pegarmos a estrada de volta)
(Rodrigo and Si Fu during the last breakfast before hit the road back home)

Rodrigo e eu fizemos uma trapalhada durante a compra de uma barra de cereal. Era a primeira bronca que ele levava na viagem. O clima mudou no carro... O nível de atenção subiu, mas não o suficiente, para o momento em que horas depois de seu pedido ainda na Barra, Si Fu lembrasse de assalto a Rodrigo, que já estávamos no final da Dom Pedro e uma bifurcação se aproximava metro a metro: "Pra qual lado Rodrigo?" - Essa seria uma frase que ouviríamos por muitas outras vezes...
Acabamos errando o caminho, e errando novamente... Da minha parte, não sabia o que fazer! Percebia que aquele era o momento de Rodrigo, mas ao mesmo tempo a Reunião do Conselho de Mestres Seniors na casa de Si Gung se aproximava- "Eu deveria ajudar?" - Não tive muito tempo pra pensar, pois Si Fu freiou bruscamente num acostamento , e com energia na voz chamou a atenção para o que acabara de acontecer: Perdemos a entrada para Salto e estávamos rumo a São Paulo...

Rodrigo and I made a mess during the purchase of a cereal bar. It was the first reprimand that he took on the trip. The energy has changed in the car ... The attention level rose, but not enough, for the moment after his order still in Barra neighborhood hours before, Si Fu remembered Rodrigo, we were already at the end of Dom Pedro Road and a fork approached meter by meter: "For which side do we go Rodrigo?" - That would be a sentence that would hear for many times ...
Just missing the way, and missing again ... For my part, I did not know what to do! I realized that this was the time to Rodrigo, but at the same time the Meeting of the Seniors Masters Council at Si Gung's house was already beginning- "Should I help?" - I have not had much time to think, because Si Fu braked sharply in the road side, and energy in his voice drew attention to what had just happened: We miss the entrance to jump and were heading to Sao Paulo ...
(Rodrigo com Si Fu e outros Mestres Seniors da Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence)
(Rodrigo with Si Fu and other Senior Masters from Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence)

O aplicativo de GPS saiu do ar, e Si Fu chamou a atenção após mais uma sequência de erros, para que Rodrigo se antecipasse ao percurso antes que isso acontecesse. Erramos e erramos até que chegamos ao hotel... Marcamos com Si Fu um horário no saguão e Rodrigo , assim como eu e meu To Dai que dividíamos um quarto, tomamos um banho  e nos arrumamos para irmos até a casa de Si Gung "dar um oi" para ele e a Si Taai.
Ao entrarmos no carro, ao que parecia Rodrigo estava mais preparado. Si Fu estava "bonzinho" novamente (entenda isso como quiser..rs) e resolveu fazer um rápido feedback sobre o que tinha acontecido. Infelizmente Si Fu não teve tempo para tal, Rodrigo ainda estava inseguro sem o GPS funcionar, e nos levou para fora de Salto! Estávamos na auto-estrada novamente!!! E toma mais Biu Ji !! - "Direita ou esquerda? Direita ou esquerda?Direita ou esquerda?" - "Si Fu...eu..." - "Direita ou esquerda?!!!"...

The GPS app went off the air, Si Fu drew attention after an error sequence so that Rodrigo anticipate the route before this happened. We make mistakes until we got to the hotel ... We marked with Si Fu a time in the lobby and Rodrigo as well as me and my To Dai we shared a room, take a shower and packed up to go to Si Gung's house "to say hi"to him and the Si Taai.
As we enter the car, it seemed Rodrigo was more prepared. Si Fu was "nice" again (take this as you want..lol) and decided to make a quick feedback on what had happened. Unfortunately Si Fu did not have time for that, Rodrigo was still unsure without the GPS function, and took us out of Jump! We were on the freeway again !!! And it takes more Biu Ji !! - "Right or left Right ??!! Right or left Rodrigo??" - "Si Fu ... I ..." - "Right or left? !!!" ...
(Jantar no hotel após deixar Si Fu na casa de Si Gung na primeira noite)
(Dinner at the hotel after let Si Fu at Si Gung´s place on day one)

Deixamos Si Fu na casa de Si Gung, demos um abraço nele e em todos os presentes e voltamos para o hotel. Si Fu ofereceu o carro... Achamos melhor pegar um táxi! Si gung nos indicou ir a um Shopping em Itu, mas fomos unânimes em voltar para o hotel e repensar tudo, preparar o dia seguinte...etc...  Até a hora em que descemos do carro, Rodrigo tinha uma nuvem negra na cabeça. O sempre falante irmão Kung Fu estava sério como nunca havia visto... Mas para minha surpresa, ao sentarmos no restaurante do hotel e conversarmos sobre tudo, seu sorriso havia voltado, e percebi que Rodrigo havia vencido uma etapa com relação ao Biu Ji naquele momento... -"Conquista Desbloqueada"....

We left Si Fu in Si Gung's house, gave him a hug and all present and back to the hotel. Si Fu offered the car ... We better get a taxi! Si Gung showed us how to go to a Shopping in next city, but we were unanimous in returning to the hotel and rethink everything, prepare the next day ... etc ... By the time we got off the car, Rodrigo had a black cloud in the head . The ever talkative Kung Fu brother was serious as I had never seen ... But to my surprise, to sit in the hotel restaurant and talk  about everything, his smile was back, and realized that Rodrigo had level up in the Biu Ji that moment ... - "Achievement Unlocked" ....
Muitas das coisas que aconteceram nessa viagem com Rodrigo(foto) são muito particulares para escrever aqui... Outras, nem saberia como fazê-lo. Além destas, uma grande porção nem eu , nem ninguém teve acesso... Mas entre erros de percurso vi alguém crescer diante de meus próprios olhos. Tive que me segurar para não interferir. Outras vezes, Si Fu pedia para não me meter... Tudo isso, para que Rodrigo tivesse sua experiência completa, que Si Fu comentaria na última noite: "A relação Si Fu - To Dai não é sempre desse jeito... " -  Disse Si Fu , se referindo a quantidade de pressão. Em outro momento ele também comentou: "...Não tem problema errar. O problema é continuar repetindo o mesmo erro... "

Many of the things that happened on this trip with Rodrigo (photo above) are very particular to write here ... Others would not even know how to do it. Apart from these, a large portion neither I nor anyone else had access ... But of course errors seen anyone grow before my own eyes. I had to hold me not to interfere. Other times, Si Fu asked not to meddle ... All this, so that Rodrigo had his complete experience that Si Fu would comment last night: "The relationship Si Fu - To Dai is not always that way ..." - said Si Fu, referring to the amount of pressure. At another point he also said: "No problem ...  The problem is to keep repeating the same mistake ...."
(Rodrigo com seu marcante celular que nunca pegava o 
GPS durante a festa da Si Taai ajudando no fechamento da conta)
(Rodrigo using his cell phone, wich has a bad GPS system,lol, during 
Si Taai´s b-day celeb. When he helpped others to get all the money to pay the bill)

Sobre Si Fu, vi coisas inacreditáveis de sua parte. Como alguém consegue ir tão fundo numa situação só para que o outro tenha a experiência...  - "Rodrigo... Rodrigo me responde! Estamos no caminho da Marginal Pinheiros? Se eu seguir aqui eu saio na Marginal Pinheiros Rodrigo?" - Perguntava Si Fu sério na manhã de Domingo a Rodrigo que estava no banco de trás insistindo em olhar para o GPS que teimava em não funcionar... Enquanto isso, eu via placas e mais placas indicando para dobrar a direita para poder pegar a Marginal Pinheiros. Si Fu seguia reto por todas elas . - "Rodrigo?" - "Sim Si Fu! Pode seguir reto!" - E lá íamos nós para nos perdermos mais uma vez...

About Si Fu, I saw incredible things from him. How can someone go so deep in a situation just to the other has the experience ... - "... Rodrigo! Rodrigo! Answer me We are on the path of Marginal Pinheiros Road If I follow here I go out on the Marginal Pinheiros Rodrigo!?" - Si Fu wondered on that Sunday morning to Rodrigo who was in the back seat insisting on looking at the GPS stubbornly refused to work ... Meanwhile, I saw signs and more signs indicating to turn right in order to take the Marginal Pinheiros . Si Fu followed right by all of them asking: "Rodrigo?" - "Yes Si Fu ! We can  go straight!" - And there were we to lose us again ...
(Caminhando com os Mestres. Eu e Rodrigo acompanhando atrás)
(Walking with the Masters. I and Rodrigo accompanying them.)


Particularmente , o momento em que percebi que iria voltar para o Rio com um Rodrigo diferente do que havia embarcado comigo na Sexta-feira. Foi quando as 02 am, numa reunião dentro do hotel (ou algo que o valha) em que nos hospedamos na última noite, Si Fu fazia uma reunião para refletirmos sobre tudo ... Ele me pediu para comentar o que tinha percebido de Rodrigo. Ao fazê-lo, comecei a falar olhando para o chão do quarto. Estava sentado numa cama, e Rodrigo bem diante de mim sentado na outra. Quando levantei meus olhos, um olhar fulminante me encarava. Não era chateação, raiva, nem nada parecido ... Era apenas um olhar. Um olhar, acredito eu, que se manteria mesmo que eu desse um soco na cara do Rodrigo naquele momento. Ele já havia passado por tanto, que algo havia mudado... Mas o que mudou de fato, nem mesmo Rodrigo sabe ainda...

Particularly, the moment I realized I would return to Rio with a different Rodrigo  from what had embarked with me on Friday. That's when at 2 am, a meeting inside the hotel (or something of that sort) where we stayed in the last night, Si Fu held a meeting to reflect on everything ... He asked me to comment on what was perceived on Rodrigo. In doing so, I began to talk staring at the floor of the room. I was sitting on a bed, and Rodrigo right before me sitting on the other. When I raised my eyes, he stared at me a withering look. It was not boredom, anger, or anything like that ... It was just a look. A look, I believe, that would remain even if I give a punch in the face of Rodrigo . He had already been through so much, that something had changed ... But what has changed in fact, even Rodrigo does not know yet ...

The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com

segunda-feira, 4 de julho de 2016

"DAAN CHI SAU": The obscure exercise of Ving Tsun

(Ao fundo, observo meu Si Fu falando de "Daan Chi Sau" no início dos anos 2000)
(In the background , I watch my Si Fu talkin'on "Daan Chi Sau" in the early 2000's)

O "Daan Chi Sau" é um dos "Componentes Associados" do Domínio Siu Nim Tau. O Sistema Ving Tsun em nosso Grande Clã é dividido em seis Domínios, e Siu Nim Tau é o primeiro deles. Tomamos a "Forma" ou "Sequência de Movimentos" Siu Nim Tau, como o "Componente Principal" , e todos os trabalhos a dois neste Domínio, chamamos de "Componentes Associados".

The "Daan Chi Sau" is one of the "Associated Components" from the Siu Nim Tau Domain. The Ving Tsun system in our Great Moy Yat Sang Clan is divided into six domains, and Siu Nim Tau is the first one. We take the "Form" or " Sequence of movements" Siu Nim Tau, as the "Main Component", and all the work between two people in this domain,we call "Associated Components."

Quando se pensa em Ving Tsun, um "Componente Associado" a que a maioria se remete é o "Chi Sau" (que já falamos AQUI). Mas o "Chi Sau" que se conhece é o "Seung Chi Sau". Um trabalho com o uso dos Jiu Sik : Taan Sau , Bong Sau e Fuk Sau com as duas mãos simultaneamente. Mas um "Componente Associado" mais obscuro do Domínio Siu Nim Tau é o que vemos eu executar na foto acima, sob o olhar de Si Fu, chamado "Daan Chi Sau" . Onde "Daan" (lê-se o "D" com um som entre "D" e "T") significa "Único(a)".
Quando estava no Siu Nim Tau, já não aguentava mais trabalhar o "Lap Sau", que é um Componente que aparece antes do "Daan Chi Sau". Hoje, o "Lap Sau" é o trabalho que mais gosto de fazer em todo o Sistema. Mas na época, quando me foi dada a oportunidade de ter acesso ao "Daan Chi Sau", não consegui compreender suas nuances assim como nao compreendera o "Lap Sau". O fato de permanecer aderido ao adversário sem mover a base não me fez muito sentido num primeiro momento...

When you think of Ving Tsun, an  " Associated Components" to which most would refer it is the "Chi Sau" (which we have already spoken HERE). But the "Chi Sau" that is known is the "Seung Chi Sau". A work with the use of Jiu Sik: Taan Sau, Bong Sau and Fuk Sau with both hands simultaneously. But a darker "Associated Component"  from this Siu Nim Tau Domain is what we see in the picture above, where I run, under the eye of Si Fu, called "Daan Chi Sau". Where "Daan" (read the "D" with a sound between "D" and "T") means "Single"
When I was in Siu Nim Tau, I no longer take any more work on the "Lap Sau", which is a component that appears before the "Daan Chi Sau". Today, the "Lap Sau" is the work I like the most to do in the whole system. But at the time, when I was given the opportunity to have access to "Daan Chi Sau" I could not understand its nuances as not understood the "Lap Sau". The fact remains adhered to the opponent without moving the base did not make much sense to me at first ...
(Bruce Lee mostra a John Saxon, com quem co-estrelou 
"Operação Dragão"(Enter the Dragon, 1973) o "Daan Chi Sau". Bruce, 
havia praticado Ving Tsun em sua juventude em Hong Kong com Patriarca Ip Man. )

(Bruce Lee shows to John Saxon, who co-starred
"Enter the Dragon" ( 1973) the "Daan Chi Sau". Bruce,
 had practiced Ving Tsun in his youth in Hong Kong with Patriarch Ip Man.)

Meu maior problema na época era tentar encaixar no que eu entendia que seria uma situação de luta, o que estava aprendendo. Mais tarde, ouvi de meu Si Fu : "Nada do que você está aprendendo servirá para a luta" - Eu preferi acreditar que ele estava brincando e segui em frente, mas com a experiência dos anos posteriores, entendi que na lógica clássica chinesa, não existe a ideia de "Teoria" e "Prática". Não se tem acesso a algo no Kung Fu para depois ir atrás de sua aplicação no real. Porque para o Pensamento Clássico Chinês, todo o real se apresenta como um processo regulado e contínuo , decorrente da simples interação do que se está em jogo.  Esse Pensamento Clássico , concentra sua atenção no curso das coisas, pois estando envolvido nele , ele busca descobrir a coerência entre os movimentos e tirar proveito disso. Por isso que ao invés de buscarmos a chamada "aplicação", vamos nos obstinar a descobrir os fatores favoráveis de uma configuração em "Taan" , "Bong" e "Fuk" como a do "Daan Chi Sau".  Resumidamente, ao invés de partirmos de um plano, ou seja: "O que está na forma, aplicar a força na realidade", vamos nos apoiar nos potenciais de situação.

My biggest problem at the time was trying to fit in what I understood to be a situation of fight,to what I was learning. Later, I heard from my Si Fu: "Nothing you are learning will be useful to fight" - I prefer to believe that he was joking and moved on, but with the experience of years later, I understood that in the Chinese classical logic, there is not the idea of ​​"Theory" and "Practice." You do not have access to something in Kung Fu and then go after its application in the "real world". Because for Chinese Classical Way, all real presents itself as a regulated and ongoing process, due to the simple interaction of what is at stake. This Classic Way of Thinking, focuses its attention on the course of things, as being involved in it, he seeks to discover the coherence between the movements and take advantage of it. So that instead of seeking the so-called "application", we look on us to discover the favorable factors of a configuration in "Taan", "Bong" and "Fuk" as the "Daan Chi Sau". In short, instead of leaving a plan, that is: "What is in the forms, apply by force in reality," we will support ouserlves in the potential of the situation.
Em "Daan Chi Sau" , nos deparamos pela primeira vez com dois tipos de abordagem : Em Noi Mun Sau (內門手) e Ngoi Mun Sau (外門手) .  Noi Mun Sau (內門手) é o que chamamos de "Porta de Dentro", ou seja, tocar no adversário pelo lado de dentro de seu braço. As opções nesse caso são "Taan Sau" e "Bong Sau". 
Sobre Ngoi Mun Sau (外門手) , a primeira coisa importante a saber , é que o "N" em "Ngoi(外)" não se lê "Ni", mas tem um som "mudo" como "Unm". Por isso, ao pronunciar o nome da monja que transmitiu seu conhecimento a Yim Ving Tsun, de nome Ng Mui , não pronuncie "Nigui Mui" mas algo como "Unm Muei" seria mais apropriado. Pois não se pronuncia o "G" ao final.
Ngoi Mun Sau (外門手) , é a "Porta de fora", e para trabalhar com ela no "Daan Chi Sau", temos o "Fuk Sau" e o "Fuk Sau(alto)".

In "Daan Chi Sau", we meet for the first time with two approaches: Trough Noi Mun Sau (內 門 手) and Ngoi Mun Sau (外 門 手). Noi Mun Sau (內 門 手) is what we call "inside door", ie touching the opponent from the inside of his arm. The options in this case are "Taan Sau" and "Bong Sau".
About Ngoi Mun Sau (外 門 手), the first important thing to know is that the "N" in "Ngoi (外)" is not read "Ni", but  as "Unm". So, to pronounce the name of the nun who transmitted her knowledge to Yim Ving Tsun, Ng Mui name, not pronounce "Nigui Mui" but something like "Unm Mu-ai" would be more appropriate. Because you should not pronounce the "G" at the end.
Ngoi Mun Sau (外 門 手) is the "outside door," and to work with it in "Daan Chi Sau" you have "Fuk Sau" and "Fuk Sau (high)".
No dia em que comecei o "Daan Chi Sau", tudo que meu Si Fu(foto) disse foi : " Você não pode desgrudar do braço do outro" - Tendo dito isso, nenhum comentário a mais foi feito. Isso é interessante, pois no livro "Figuras da Imanência" de François Jullien, onde ele propõe um estudo do "I Ching", ele diz: "...Se a razão das coisas está profundamente escondida , é o dispositivo que o Clássico da Mutação põe em funcionamento que a deve elucidar. Será conveniente , então, considerar esse dispositivo com tanto maior cuidado, já que é apenas pelo seu funcionamento que podemos esperar que venha à luz o mistério da realidade..." -  Veja que interessante a singela observação de meu Si Fu naquele momento. Que me permitiu apenas ter uma "Pequena intenção" para iniciar o trabalho, mas que nao me contaminou com didática e o "modo correto de fazer"...

On the day I started the "Daan Chi Sau", all my Si Fu (photo) said was: "You can not become detached from the other's arm" - having said that, no comment was made again. This is interesting because in the book "Figures de L'immanence" by François Jullien, where he proposes a study of the "I Ching", he says: "... If the reason of things is deeply hidden, is the device that the Classic mutation put in place that should elucidate . Is convenient, then consider this device with much greater care, since it is only for its operation we can expect to come to light the mystery of reality .... "- See how interesting the simple words from my Si Fu at the time were. That allowed me only have a "small intention" to start the work, but not infected me with teaching and the "right way to do" ...
Em seu livro : "Ving Tsun - A arte da Simplicidade"(1999) . Si Fu(foto) fala sobre o "Daan Chi Sau": "... Este é o primeiro exercício de sensibilidade através da aderência do Sistema Ving Tsun e talvez por isso, a base de todos os outros da Trilogia Fundamental (Siu Nim Tau, Cham Kiu e Biu Ji). Esse exercício pode ser encarado verdadeiramente como uma luta, não contra o companheiro, mas pela ocupação da Linha Central, que acaba por resultar em seu compartilhamento. 
Essa luta se dá dentro de regras muito claras e tem como objetivo principal, o aprendizado, por isso, não é incentivado nenhum tipo de competição e sim a cooperação.
Tudo começa pelo respeito pelo braço do companheiro. Cada um deve ocupar a sua metade na Linha Central e permitir que o outro ocupe a sua. Este compartilhamento é um início e um fim; um resultado de energias complementares , opostas e em igual dosagem..."

In his book, "Ving Tsun - The Art of Simplicity" (1999). Si Fu (photo) talks about the "Daan Chi Sau": "... This is the first sensitivity exercise through the adherence of Ving Tsun and perhaps therefore the basis of all other for the first Trilogy (Siu Nim Tau , Cham Kiu and Biu Ji). This exercise can be seen as truly a fight, not against the other fellow, but for the occupation of the Center Line, which eventually results in its sharing.
This fight takes place within a very clear rules and aims, learning, so it is not encouraged any kind of competition but cooperation.
All start with respect for the fellow's arm. Each must take its share in the Center Line and allow the other to occupy his. This share is a beginning and an end; the result of complementary energies, opposite and equal dosage ... "
(Foto de uma cena do filme "The Legend is Born: Ip Man"(2011) na qual Sammo Hung que interpreta Chan Wa Sun e Yuen Biao, que interpreta Ng Chun Sok praticam "Daan Chi Sau")

(Photo of a scene from the movie "The Legend is Born: Ip Man" (2011) in which Sammo Hung who plays Chan Wa Sun and Yuen Biao, who plays  Ng Chun Sok practice "Daan Chi Sau")

Depois de tantos anos, acredito hoje que o grande segredo do "Daan Chi Sau" é a sua simplicidade. O fato de estarmos posicionados numa base estacionária, o tempo todo de frente. Permite com que estejamos relaxados o suficiente para nos conectarmos ao outro e percebê-lo da melhor forma possível durante todo o trabalho.
Digo isso , porque durante o Daan Chi Sau, o "Biu Sau", "Bong Sau" , "Jat Sau" e "Yat Ji Jung Choei" são o que há de aparente. Mas o que há de imanente neste trabalho? Caso não estejamos dispostos a estudá-lo com afinco, ele sempre será um exercício obscuro para nós.

After so many years, I believe today that the great secret of "Daan Chi Sau" is its simplicity. The fact that we are positioned in a stationary base, facing the opponent all the time. It allows us to be relaxed enough for us to connect to others and perceive it as best as possible throughout the work.
I say this because during the Daan Chi Sau, the "Biu Sau", "Bong Sau", "Jat Sau" and "Yat Ji Jung Choei" are what is apparent. But what is immanent in this work? If we are not willing to study it hard, it will always be a dark exercise for us.


The Disciple of Master Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@gmail.com