ONDE PRATICAR

ONDE PRATICAR
Clique na imagem e conheça os Nucleos da Moy Yat Ving Tsun no Rio

Tuesday, May 5, 2015

Kung Fu para Síndrome do pânico: Enfrentando o medo. (KUNG FU TO PANIC SYNDROME:Overcoming fear.)



Para quem ainda não sabe, em minha história tive o desprazer de sofrer o que chamam hoje de bullying. Muito mais do que o "açoite emocional" diário na escola, parecia que minha sorte havia me abandonado já que junto disso era constantemente assaltado ou abordado na rua. Desde mochilas e camisas rasgadas até humilhação, foi um passo para que eu desenvolvesse um panico de andar na rua. Eu passei a achar com 13 anos, que a cada esquina seria novamente assaltado, abordado... Depois, foi a vez da escola: Pegava o ônibus para chegar até ela, mas descia no meio do caminho e voltava pra casa. Chegando lá, inventava algo que tinha sentido e então estava livre da rua, e das humilhações em sala de aula. 
Superei , ou guardei isso comigo, e segui adiante. Voltei a andar na rua, meu medo de ir pra escola sumiu. Tudo num espaço de tempo de um ano. Foi então que dois anos depois destes episódios, achei o Mestre Julio Camacho e a Familia Kung Fu..

For those who do not know, my story had the misfortune to suffer what they call bullying today. Much more than the "emotional scourge" daily at school, it seemed that my luck had abandoned me because along that I was constantly assaulted or approached on the street. From bacgs and uniforms torn to humiliation, was a step for me to develop a floor of panic in the street. I began to think  when I was13 that at every corner would be assaulted again,  ... Then it was the turn of school: I would take the bus to get to there, but would get off midway and returned home. Once there, inventing something that made sense and was then free of the street, and humiliation in the classroom.
Over it or I kept it with me, and went ahead. I returned to walk down the street, my fear of going to school disappeared. All in one year time period. It was then that two years after these episodes, I found Master Julio Camacho and the Kung Fu Family ..

KUNG FU PARA SÍNDROME DO PANICO:
Superando o medo.
KUNG FU TO PANIC SYNDROME:

Overcoming fear.
.
(Meu mestre Julio Camacho toca o Oceano Pacífico em viagem na America do Sul em 2007)
(My Master Julio Camacho touches the Pacific Ocean during a trip in South America in 2007)

Meu Mestre Julio Camacho não se parecia em nada com Mestres de filmes chineses. Com apenas 29 anos na época , de pele morena e quase sempre contando algo engraçado, conseguia equilibrar isso com uma inteligencia muito grande para discutir qualquer assunto, e com uma simples mudança de expressão, mudar o tom do ambiente.
Acontece que até aquele momento era  apenas uma pessoa que eu admirava , porém acontecimentos, fariam com que nos aproximássemos um pouco mais.
Percebi que por nenhuma razão, começava a sentir medo novamente em ir para a escola, ou sair de casa. Toda a vez que saia, me sentia mal, inclusive fisicamente. Era "Tiro e queda" ! Só precisava estar um pouco longe de casa, para que toda aquele sensação me assaltasse.

My Master Julio Camacho did not look anything like Masters of Chinese films. With only 29 years old at the time, brown skin and almost always telling something funny, could balance this with a very large intelligence to discuss any subject, and with a simple change of expression, change the tone of the environment.
It turns out that until that moment he was only a person who I admired, but events would cause us to approach a little more.
I realized that for no reason, I began to feel afraid again to go to school or leave home. Every time I would  come out, I felt bad, even physically.  Just I needed to be a little far from home, so that all that feeling assaulted me.
(Mestre Julio Camacho trabalhando caligrafia chinesa )
(Master Julio works on chinese calligraphy)

Antes, eu tinha medo de ser assaltado na rua, de ser abordado. O medo da escola, vinha do fato de meia duzia de caras que cismaram comigo um ano inteiro me fazerem de bobo. Mas e agora? Qual era o problema?
 A pior coisa de se entrar em pânico dessa forma, é que você não tem em que se agarrar. O pânico está dentro de você. Ele vem de dentro e não de fora. O que fazer?
Por isso, para mim, que sempre busquei nas artes marciais, em especial no Ving Tsun, até aquele momento, a habilidade para "a grande luta", me deparei com um adversário invisível. E a cada compromisso com a mínima possibilidade de não ir, não pensava duas vezes e dava margem aos milhões de pensamentos que me convenciam a "Deixar pra depois..."

Before, I was afraid of being robbed in the street,. The fear of school, came from the fact that half a dozen guys who take me for the idiot of the class  a whole year. But what now? What was the problem?
  The worst thing to panic in this way is that you do not have to cling. Panic is within you. It comes from within and not from without. What to do?
So for me, I always sought in the martial arts, especially in Ving Tsun, until now, the ability for The "Big Fight", I came across an invisible opponent. And every compromise with the minimum possibility of not going, did not think twice and gave margin to the millions of thoughts that convinced me to "Leave for later ..."
(Com a filha de meu Mestre , Jade Camacho)
(Master Julio Camacho´s older daughter and I)

Com isso, meu espaço foi diminuindo. A área que podia me locomover ia se tornando escassa, e foi quando resolvi abrir meu problema para meu Mestre. Porque mesmo as minhas sessões de Ving Tsun, algo que me segurava no mundo fora de minha casa, já estava ficando difícil de comparecer, e comecei a faltar muito. 
Não houve um método para as coisas melhorarem, mas eu acredito muito na confiança mutua que se estabeleceu entre nós. Eu acreditava em cada coisa que ele me pedia para fazer em busca da melhora. 

With that, my space was decreasing. The area around me was becoming scarce, and that's when I decided to open my problem to my Master. Because even my sessions of Ving Tsun, something that held me in the world outside of my house was getting difficult to attend, and I started missing a lot of classes.
There was not a method to improve things, but I believe a lot in mutual trust that has developed between us. I believed every thing he asked me to do in pursuit of improvement.
Foi então que surgiu uma viagem para São Paulo, um evento com o Mestre de meu Mestre: Sr Leo Imamura. Obviamente , esse era um desafio que eu nao conseguiria cumprir, meu "Medo" não iria permitir. Foi quando Mestre Julio Camacho desenhou num papel, e uma pena não ter guardado, o esquema acima(foto).
 Ele disse que antes eu vivia apenas no mundo do Thiago. E marcou aquele pequeno quadrado com um "T". Depois o envolveu com um quadrado maior e disse que agora meu espaço tinha aumentado junto dele. E colocou um "J" de "Julio" neste segundo quadrado. E então ele disse que gostaria que tentássemos juntos aumentar o quadrado até o "Leo", o nome de seu Mestre.

Then came a trip to Sao Paulo, an event with my Master's Master: Mr Leo Imamura. Obviously, this was a challenge that I could not fulfill my "Fear" would not allow. That's when Master Julio Camacho drew on paper, and a pen have not saved, the above scheme (photo).
  He said that before I lived only in the "world of Thiago". And that little square marked with a "T". Then wrapped with a larger square and said that now my space had increased by him. And put a "J" to "Julio" in the second square. And then he said he would like that we try together to increase the square to the "Leo", the name of his Master.
(da esquerda para a direita: Meu Mestre Julio Camacho, seu Mestre Leo Imamura e eu na inauguração do Nucleo de Ving Tsun Kung Fu no Méier que dirijo)
(From left: My Master Julio and his Master Leo and me. Dring the Grand-Openning of my own Ving Tsun School)

Eu consegui chegar até o ultimo quadrado que Mestre Julio Camacho me propôs. E hoje , dirijo meu próprio Núcleo de Ving Tsun, esta arte marcial chinesa que visa desenvolver o "Kung Fu" de cada um. 
Uma vez li que "Boas noticias vem uma de cada vez, e a desgraça vem em grupo". Interessante observar os desafios que a vida continua me colocando dia após dia, e perceber que "a grande luta" que me motivou a entrar no Ving Tsun, não será contra um oponente trocando socos e chutes ferozes, mas sim comigo mesmo. Isso pode soar um pouco clichê, mas só eu sei, o quanto é difícil vencer uma luta em que não se pode usar os punhos, mas apenas o coração.

I made it to the last square that Master Julio Camacho asked me. And today, I address my own  Ving Tsun School, this Chinese martial art that aims to develop the "Kung Fu" of each person.
I once read that "Good news comes one at a time, and misfortune comes together." Interestingly, the challenges that life keeps putting me day after day, and realize that "big fight" which led me into the Ving Tsun will not be against an opponent exchanging punches and kicks fierce, but with myself. That may sound a bit cliché, but only I know how hard it is to win a fight in which one can not use his fists, but only the heart.

O ideograma(foto) para "mente" e "coração" em chinês é o mesmo "Saam"("Xin" em mandarim). Entender a si mesmo é dificílimo. E para superar medos tão grandes, não basta o que chamamos de "no peito e na raça" . Devemos atuar com uma inteligência estratégica (uma possível interpretação de "Kung Fu") ,para saber como colocar o coração (Saam) no que estamos fazendo naquele momento. 
O medo, é uma projeção , é uma ansiedade antecipatória . E para administrarmos isso com mais qualidade de vida, devemos olhar para o que é real. E para entender o "Real", precisamos estar presentes no momento...

The ideogram (photo) to "mind" and "heart" in Chinese is the same "Saam" ("Xin" in Mandarin). 
To understanding yourself is very difficult. And to overcome such great fears, not just what we call "motivation." We must act with a strategic intelligence (a possible interpretation for "Kung Fu") to how to put the heart (Saam) in what we are doing at that moment.
Fear is a projection, is an anticipatory anxiety. And for handle it with more quality of life, we must look at what is real. And to understand the "real", we must be present in the moment ...
(A filha de meu Mestre, Jade Camacho, me ajuda a montar o Nucleo Méier)
(Jade , my Master´s older daughter, helps me to build my school)

Por isso, hoje como diretor de Núcleo da Moy Yat Ving Tsun, vejo com graça quando alguém procura o Ving Tsun com uma "vontade muito grande". O Kung Fu se mostra quando você precisa, porém, para o que você vai precisar você nunca saberá. 
Você pode fantasiar como eu fiz com a "Grande luta" ou pode pensar em outra coisa como "Concentração". Mas o Kung Fu é cultivo, não vontade. Ele vai brotar quando precisar. Talvez em algo e num momento que você nunca imaginaria. 
Portanto, minha dica é: Desenvolva seu Kung Fu, apenas trabalhe duro nele, e quando ele resolver sair, não o impeça, não duvide, acredite no que você desenvolveu. Talvez você possa ter uma boa surpresa , como a que eu tive: 

So today as director of a Moy Yat Ving Tsun School, I see with funny when someone searches the Ving Tsun with "too many desires".  The Kung Fu is shown when you need, however, for what you will need you will never know.
You can fantasize as I did with a "big fight" or you can think of something else as "Concentration". But Kung Fu is a form of cultivating, not desire. It will sprout when needed. Maybe for something and in a moment you'd never imagine.
So my tip is: Develop your Kung Fu, just work hard on it, and when it decides to come out, do not stop it, do not doubt, believe what you have developed. You can have a good surprise, as I had:
A surpresa de descobrir que são muito mais do que três quadrados, mas que com Kung Fu, posso passar por todos eles....

The surprise to discover that there are lot more tha 3 squares(levels), but with Kung Fu, I can get trough all of them...


Um discípulo de Mestre Julio Camacho
Thiago Pereira "Moy Fat Lei"
moyfatlei.myvt@Gmail.com
Diretor do Nucleo Méier da Moy Yat Ving Tsun

No comments:

Post a Comment