ONDE PRATICAR

ONDE PRATICAR
Clique na imagem e conheça os Nucleos da Moy Yat Ving Tsun no Rio

Thursday, October 11, 2012

DIM MAK: O TOQUE DA MORTE por Moy Yat (DIM MAK:The Death Touch by Moy Yat)

Era uma tarde qualquer de 1993, hora da saída do Colégio Salesiano de Rocha Miranda. Eram por volta de 5 da tarde, e mães, irmãos, tias da condução e responsáveis aguardavam a saída das crianças.
Antes de encontrar com minha mãe, passando pela multidão, ouvi do irmão de minha amiga de sala Mileninha que havia ido buscá-la:
"Perdeu o maior filmaço hoje na sessão da tarde !"


It was some ordinary afternoon from1993 about five o'clock. Another day of school was over in Rocha Miranda wild neighborhood, and mothers, brothers, aunts and responsibles  awaited the departure of children.
Before meeting with my mother, through the crowd, I heard my friend's brother' said to me:
"You´ve lost a great movie this afternoon on TV!"


Zé Mario, o rapaz em questão , se referia aquele que muitos consideram um dos maiores clássicos da Sessão da Tarde: "O Grande Dragão Branco". Que em 05 de fevereiro de 1992, estreou na Tela Quente como vemos a chamada da época exclusivamente no Blog do Pereira!

Ze Mario, the boy who talked to me, was talkin' bout "BLOODSPORT" starring Jean Claude Van Damme. A classic on brazilian TV in the 90's! Below, we see the ad of the first time that or prime tv channel put it on screen on Mondays night!


Uma cena do filme no entretanto, chamava muito a atenção: Van Damme se apresentava como discípulo do Clã Tanaka, mas os juizes pedem para que ele execute o "Dim Mak" a fim de provar a veracidade de suas palavras...

A scene in the film however, drew much attention: Van Damme presented himself as a disciple of Clan Tanaka, but the judges ask him to run the "Dim Mak" to prove the truth of his words ...


Obviamente esta cena explodiu minha cabeça na primeira vez que vi, e o Dim Mak , "Toque da Morte", presente em diversos outros filmes, passou a habitar não só a minha mente, mas a de muitas outras crianças da época. E qual não foi minha surpresa, quando descobri, que até Si Taai Gung Moy Yat, se interessou pelo DIM MAK....

Obviously this scene blew my mind off at the first time I saw, and Dim Mak, "Touch of Death", present in several other films, now inhabit not only my mind, but many other children's minds at the time. And what was my surprise, when I discovered that even Si Taai Gung Moy Yat, became interested in DIM MAK ....

"DIM MAK :O Toque da Morte"
por Moy Yat

"DIM MAK: The death touch"
by Moy Yat


Eu passei grande parte de minha infância numa pequena vila do interior. Não importava que tipo de brincadeira , as crianças iriam brincar. Eu era sempre um dos que brincava. Eu sabia todos os jogos e era bom neles. Mas existia um em particular que eu lembro bem até hoje chamado "Atire a garrafa". Ele era chamado "atire a garrafa" mas na verdade, a natureza do jogo era o de fazer o "Dim Mak", a longa distância. Mesmo do outro lado de uma montanha.

Este jogo era realizado a noite ainda que tivesse ou não a luz da lua. A única restrição era caso estivesse chovendo. Nós não tínhamos problema em encontrar seis ou sete crianças para brincar. Uma garrafa vazia, poderia ser facilmente encontrada nos cantos das casas, e todas as crianças sabiam as regras do jogo muito bem. A 9 km de distância, era possível ver pequenas sombras juntas em forma de circulo perto de uma grande pedra jogando "dois ou um" para determinar um perdedor. Depois de um curto período de tempo, apenas dois sobrariam , eles disputariam "Par ou ímpar"  e o perdedor seria o último restante. O vencedor se juntaria ao grupo e o perdedor que ficaria sozinho , seria o único que saberia o "dim mak",

Para iniciar o jogo, o perdedor ficaria de costas para o grupo de crianças, enquanto uma delas jogaria a garrafa en algum lugar que ele não pudesse ver. Porque ele estaria olhando pra cima contando até 10. E seria confiado para que ele não olhasse.
Depois, ele tinha que achar a garrafa, e trazê-la de volta ao ponto de partida, onde um círculo estava desenhado no chão.
Algumas vezes a garrafa era jogada nos arbustos, outras no estrume das vacas, tudo dependia do quanto cruel a pessoa que estava arremessando poderia ser. Ocasionalmente ela caia até mesmo nos esgotos.

Depois de encontrada, ela era trazida de volta para o circulo, e ele entrava no circulo. Isso queria dizer que a porta para o circulo estava fechada para os outros jogadores, ou "heróis", e eles não poderia adentrar. Se uma das pequenas sombras era avistada, a criança da garrafa, apontava o dedo e fazia o Dim Mak gritando o nome dela.  Assim, quem fosse encontrado desta forma, estaria "Morto". Se , depois de um tempo, ele não encontrasse ninguém olhando de dentro do círculo, e se aventurasse a procurar as outras crianças deixando o círculo e a garrafa desprotegidos, a porta para o circulo estaria aberta. Se ele pegasse todas, o jogo acabava e o primeiro a ser encontrado, seria aquele que ficaria com a garrafa na próxima, mas algumas vezes, o circulo que havia sido deixado vazio, permitia que alguém na surdina entrasse e chutasse a garrafa para bem longe, trazendo todos os jogadores "Mortos" de volta a vida, fazendo o jogo começar do zero. Um único jogo poderia durar várias noites.


Durante minha juventude, eu amava as artes marciais. Eu ficaria em minha base e praticaria as formas por horas treinando muito, muito duro. Algumas vezes eu lia sobre Dim Mak ou via isso em filmes no cinema, mas eu sempre via esse assunto como uma fumaça que passava sobre os meus olhos. Em outras palavras, eu nunca liguei muito pra isso e continuei a praticar meu Kung Fu muito intensamente,

Quando eu estava na meia idade eu comecei a fazer do Kung Fu o meu sustento. Além do mais, minhas ações e meu comportamento tinham que continuar mantendo uma maneira apropriada para um Si Fu. Então eu não me permitia ficar falando qualquer coisa sobre Dim Mak , por medo dos alunos entenderem mal e tentarem me copiar, acabando por arruinar seu Kung Fu.

Os dias e as épocas difíceis passaram rapidamente. Logo eu ouvi a mim mesmo sendo chamado de "Si Gung" e "Si Taai Gung". Eu procurei estudar os pontos vitais no corpo humano para usar em acumpuntura e aprendi mais de setenta importantes pontos de pressão. Alguns grandes outros pequenos. Se certos pontos são atacados por um impacto energético através de uma pequena superfície, o dano pode ser incurável e certamente levaria a uma queda da saúde ou até mesmo a morte. Não faça destas palavras sem sentido!

Entretanto, não vamos levar isso muito a sério. Mas desde criança. eu sabia todos os jogos, cada um deles. Então, por muitos anos, eu treinei e treinei as Artes Marciais. Agora eu estou velho e fraco. Sob certas circunstâncias , eu teria que usar uma técnica, e como um velho. eu teria muitas vezes a oportunidade de usar uma única técnica. Se eu disser pra você que eu não sei como usar o Dim Mak, você acreditaria em mim?



I spent much of my childhood in a small country village . No matter what type of game, children would play. I was always one of the players. I knew all the games and was good at them. But there was one in particular that I remember well umtil today called "Throw the can"It was called "throw the can" but in fact, the nature of the game was to make the "Dim Mak", by long distance. Even on the other side of a mountain.


This game was made by night even if we had or not the moonlight. The only restriction was if it were raining. We had no problem finding six or seven kids to play. An empty can, could easily be found in the corners of the houses, and all the kids knew the rules of the game very well. From ten yards away, you could see small shadows together gathered in circle by the big rock playing "grandstone,scissors,cloth...." to determine a loser. After a short time, only two would remain, they would dispute "grandstone,scissors,cloth.... again and the loser would be the last remaining. The winner would join the group and the loser would be alone, would be the only one who would know the "dim mak"

To start the game, the loser would stay with his back to the  group of children, while one of them would throw the can somewhere he could not see. Because he would be looking up counting to 10. And he would be trusted to not look.
Then he had to find the can and bring it back to the starting point, where a circle was drawn on the floor.
Sometimes the bottle was thrown in the bushes, in other times, threw on cow manure, everything depended on how nasty the person who was throwing could be. Occasionally it falls even in sewers.


Once found, it was brought back to the circle, and he entered the circle. This meant that the door was closed to the circle to the other players, or "heroes" and they could not enter. If a small shadow was sighted, the child with the can, pointed his finger and made the Dim Mak screaming the other kids name. So, who was found in this way, would be "dead." If, after a while, he found no one watching from inside the circle, and ventured to look the other children leaving the circle and unprotected can, the door would be open to the circle. If he caught all, the players, the game was over and the first to be found, it would be who would get the next can, but sometimes the circle that had been left empty, allowed someone walked in quietly and kicked the bottle far away, bringing all players "Dead" back to life, making the game start from the beginning. A single game could last several nights.


During my youth, I loved the martial arts. I would stay in my horse and would practice forms for hours  training very, very hard. Sometimes I read about Dim Mak or see it in movie screen, but I always saw this issue as a smoke passing over my eyes. In other words, I never cared much for it and continued practicing my Kung Fu very intensely,

When I was in middle age I started doing Kung Fu my livelihood. Besides, my actions and my behavior had to continue maintaining a proper way for a Si Fu. So I do not allow myself to be talking about a Dim Mak, for fear of students misunderstand and try to copy me, eventually ruin their Kung Fu.

The days and difficult times passed quickly. Soon I heard myself being called "Si Gung" and "Si Taai Gung " 
I tried to study the vital points on the human body for use in Acupuncture and learned more than seventy major pressure points. Some big other small . If certain points are attacked by an impact energy through a small surface, the damage can be incurable and would certainly lead to a decline in health or even death. Do not make these meaningless words!

However, let's not take it too seriously. But since childhood. I knew every game each one. So, for many years, I trained and trained martial arts. Now I'm old and weak. Under certain circumstances, I would have to use a technique, and as an old man. I often have the opportunity of using a single technique. If I say to you that I do not know how to use the Dim Mak, you believe me?



THE DISCIPLE OF MASTER JULIO CAMACHO
Thiago Pereira, "moy faat lei"
moyfatlei.myvt@Gmail.com

No comments:

Post a Comment